Doutrina

Cristã Ortodoxa

 

(Baseada nos ensinamentos da teologia Ortodoxa)

I I . A Fé Cristã Ortodoxa

 

 

 

Conteúdo:

A Santa Igreja.

A Hierarquia da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa. Os Santos Concílios Universais.

Sobre o Santo Sacramento do Batismo. Sobre o Santo Sacramento de Confirmação (ou Crisma). Sobre o Santo Sacramento da Eucaristia. Sobre o Santo Sacramento da Confissão(ou Penitência). Sobre o santo Sacramento da Ordem. Sobre o santo Sacramento Do Matrimônio. Sobre o santo Sacramento da Extrema Unção.

A esperança da vida eterna.

 

 

A Santa Igreja.

 

E numa só Igreja: Santa, Universal e Apostólica.

344. O que é a Santa Igreja?

A Santa Igreja é um agrupamento de fiéis, constituído por Deus, isto é, uma união de crentes, unidos na comunhão da fé cristã Ortodoxa, na Legislação Divina, na sagrada instituição do Sacerdócio e nos Santos Sacramentos.

345. Que quer dizer: "Crer numa só Igreja?"

Quer dizer ter a fé e venerar piedosamente uma só Igreja, que é a Santa Igreja Cristã Universal, Apostólica e Ortodoxa, obedecendo aos seus celestiais ensinamentos e preceitos, conservando invariavelmente a certeza absoluta de que nela se encontra eternamente presente o único eterno chefe da Igreja Nosso Senhor Jesus Cristo, que a dirige, a instrui e a defende pela Sua graça.

346. Por que devemos ter fé na Igreja, que é visível, quando São Paulo apóstolo disse: "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem?."

Realmente, a própria Igreja é visível. Entretanto, a fé que temos nela é totalmente fundamentada, já que ela se concentra especialmente na graça divina, que preenche tanto a Igreja, quanto aqueles que nela se santificam. Esta graça de Deus, porém, é evidentemente invisível, sendo de natureza espiritual.

Independente disto, fora da Igreja terrena, visível, existe nos céus de Deus a Igreja dos bem-aventurados, que não pode ser apreciada por olhos humanos, sendo por esta razão invisível. Contudo a Igreja terrena e a Igreja dos bem-aventurados nos céus de Deus constituem UMA Só Santa Igreja.

347. Como podemos saber que a Igreja existe tanto nos céus de Deus, quanto na terra?

Pelos seguintes ensinamentos de São Paulo apóstolo:

"Mas chegastes ao monte de Sião e à cidade do Deus Vivo, à Jerusalém Celestial, e aos muitos milhares de anjos;

A universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados; e a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala melhor do que o de Abel" (Epístola aos Hebreus 12:22-24).

348. Em que nos apoiamos, afirmando que a Graça Divina atua dentro da verdadeira Igreja?

Pelas seguintes razões:

    1. O Supremo chefe da Igreja é Nosso Senhor Jesus Cristo Deus-Homem, cheio de graça e de verdade. A Igreja é o próprio corpo de Jesus, constituindo assim o tabernáculo sagrado dessa graça e verdade. "E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade" (Evangelho de São João 1:14). "E todos nós recebemos também da Sua Plenitude, e graça por graça" (Evangelho de São João 1:16). "A graça e a verdade vieram por Jesus Cristo" (Evangelho de São João 1:17).
    2. Nosso Senhor Jesus Cristo havia prometido aos seus apóstolos de enviar-lhes o Divino Espírito Santo, que permanecerá com eles eternamente.O Divino Espírito Santo é, portanto, responsável pela ininterrupta seqüência das consagrações sacerdotais. "E Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê nem O conhece: mas vós O conheceis, porque habita convosco, e estará em vós" (Evangelho de São João 14:16-17).

Torna-se imprescindível uma explicação sobre a sagrada instituição do sacerdócio.

Os primeiros sacerdotes da Igreja Cristã foram indubitavelmente os santos apóstolos. Desde os primórdios do Cristianismo, a consagração de um sacerdote se procedia pela imposição das mãos e invocação do Divino Espírito Santo. Os santos apóstolos seguiram nisto o exemplo dado pelo próprio Salvador, podendo-se facilmente encontrar diversos trechos nos Livros Sagrados do Novo Testamento, que tratam deste assunto. Posteriormente, o sagrado proceder da consagração dos sacerdotes pela imposição das mãos e invocação do Divino Espírito Santo, foi praticado universalmente, formando-se, desta forma, uma ininterrupta cadeia de consagrações, que desde os santos apóstolos segue pelos séculos até aos dias atuais e seguirá assim até o fim dos tempos. Torna-se evidente que o sacerdote da nossa Igreja, nos dias de hoje, possui o mesmo poder supremo do Divino Espírito Santo, que constituía o tesouro espiritual dos santos apóstolos. Este fator justifica o amor e o respeito que é devido ao sacerdote da nossa Santa Igreja Ortodoxa.

O Sacerdócio é subdividido em três grupos:

    1. O Sacerdócio, ou os padres.
    2. O Sacerdócio superior, ou os bispos.
    3. O Sacerdócio inferior, ou os diáconos. Falaremos pormenorizadamente sobre este assunto num dos capítulos desta obra. Voltando às razões pelas quais afirmamos que a graça divina atua e está eternamente viva no seio da verdadeira Igreja, prestemos atenção ao penúltimo ponto:

São Paulo apóstolo diz sobre Nosso Senhor Jesus Cristo que Deus Pai:

"Sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas O constituiu como cabeça da Igreja; Que é o Seu corpo, a plenitude dAquele que cumpre tudo em todos" (Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios 1:22-23).

Do mesmo Apóstolo citamos:

"Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho, sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a Igreja de Deus, que Ele resgatou com Seu próprio sangue" (Atos Apostólicos 20:28).

349. Existem outras provas da existência e da atuação ermanente da graça de Deus no seio da Santa Igreja?

Sim. Sobre essa Verdade falou. Nosso Senhor Jesus Cristo:

"Edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Evangelho de São Mateus 16:18). "E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém" (Evangelho de São Mateus 28:20).

Também São Paulo, apóstolo, nos ensina:

"A esse seja gloria na Igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém" (Epístola aos Efésios 3:21).

350. Quais são os nossos deveres para com a Santa Igreja?

Os nossos deveres para com a Santa Igreja são os seguintes:

    1. Devemos fazer parte da Santa Igreja, isto é, pertencer a ela.
    2. Devemos crer fielmente em tudo que a Santa Igreja nos ensina.
    3. Devemos executar fielmente tudo que a Santa Igreja nos ordena.

"Quem vos ouve a vós, a mim me ouve; e, quem vos rejeita a vós, a mim me rejeita; e, quem a mim me, rejeita, rejeita Aquele que me enviou" (Evangelho de São Lucas 10:16). "E, se também não escutar a Igreja, considera-o como um gentio (Gentio deve-se compreender pagãos) e publicano" (Publicanos cobradores de impostos na Palestina nos tempos de N. S. Jesus Cristo pessoas desprezíveis; Evangelho de São Mateus 18:17).

351. Como podemos ter a certeza de que nosso Senhor Jesus Cristo é a única cabeça da única igreja?

Diz São Paulo Apóstolo:

"Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo" (1 Epístola aos Coríntios 3:11).

Fica, pois, esclarecido, que a Santa Igreja é uma edificação divina, cujo alicerce é constituído pelo próprio Salvador, e que por esta razão não pode ser modificada ou alterada.

Não pode também a Santa Igreja possuir outra cabeça (outro chefe) a não ser Nosso Senhor Jesus Cristo. A Santa Igreja, cujo destino é permanecer por todos os séculos dos séculos, necessita uma cabeça eterna e inalterável.

Essa cabeça eterna pode ser unicamente o seu fundador Deus-Homem, nosso Salvador.

Aliás, os ensinamentos de São Paulo apóstolo comprovam plenamente esta verdade:

"E Ele (Jesus Cristo) é a cabeça do corpo da Igreja: é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência" (Epístola de São Paulo apóstolo aos Colossenses 1:18). São Paulo apóstolo denomina-se a si próprio: "Ministro da Igreja, conforme a determinação de Deus" (Epístola aos Colossenses 1:24-25), não se prevalecendo absolutamente da sua dignidade apostólica.

352. A que nos obriga a união da Santa Igreja?

Obriga-nos a "guardar a unidade do Espírito pelo vinculo da paz" (Epístola de São apóstolo Paulo aos Efésios 4:3).

353. A existência de Igrejas Ortodoxas independentes como, por exemplo: das Igrejas do Patriarcado de Antioquia, do Patriarcado de Jerusalém, do Patriarcado de Constantinopla, do Patriarcado de Alexandria, e de diversas Igrejas Autoquefálicas, como p. ex. a Igreja Romena, a Igreja Grega, a Igreja Finlandesa e outras, não contraria a unidade da Santa Igreja Ortodoxa?

Absolutamente não, contraria, pois essas próprias Igrejas constituem somente partes integrantes da Santa Igreja Cristã Universal e Apostólica.

O termo grego "Cafólicos," ou então "Católico," determina perfeitamente este estado de coisas. Entretanto, preferimos utilizar-nos da palavra "Universal," que sendo sinônimo do termo "Católico," indica de um modo perfeitamente nítido o sentido internacional da nossa Santa Igreja Ortodoxa, distinguindo-a de forma inconfundível da Igreja Católica Romana, que se desligou da unidade da Santa Igreja Universal Apostólica no século XI, usurpando o nome "Católico" para a sua religião.

A independência dos Patriarcados Ortodoxos e das Igrejas Autoquefálicas, nem por isso impede que todas essas comunidades sejam membros espirituais de um único corpo da Santa Igreja Universal e Apostólica, tendo como cabeça eterna Nosso Senhor Jesus Cristo, numa comunhão da graça e da fé.

Esta unidade evidencia-se pelo fato de possuírem todas as Igrejas Ortodoxas a mesma fé, e os mesmos Santos Sacramentos, existindo entre elas uma comunhão permanente na oração.

O fator nacional é, sem dúvida, preponderante no desenvolvimento dos ritos e costumes adotados nas respectivas Igrejas Ortodoxas, espalhadas pelo mundo inteiro.

Os cânticos sagrados das Igrejas Ortodoxas pertencentes ao mundo árabe diferem diametralmente dos cânticos das Igrejas Eslavas, tais como Russa, Búlgara, Serva etc.

Da mesma forma o uso do idioma nacional em todos os serviços religiosos, inclusive no exercício da Divina Liturgia, representa um dos traços característicos na interpretação ortodoxa do significado da união da Igreja. Pois, não pode existir dúvida sobre a necessidade absoluta de proporcionar aos fiéis a compreensão integral e nítida de tudo que a Igreja lhes oferece.

Encarando assunto deste justo ponto de vista, a Santa Igreja Ortodoxa possibilita aos Ortodoxos do mundo inteiro rezar no seu idioma pátrio, no ambiente característico de cada nacionalidade.

Os textos dos 1ivros Sagrados, utilizados em todos os serviços religiosos da Santa Igreja Ortodoxa, são perfeitamente idênticos em todos os países. Seja em árabe, em rumeno, em russo, em inglês, em chinês, finlandês, português ou em qualquer outro idioma, a "Divina Liturgia" ou qualquer outro serviço religioso serão exatamente os mesmos, não perdendo absolutamente nada do seu valor ou significado, pelo fato de não serem oficiados em grego, que era o idioma oficial das primeiras comunidades cristãs.

Esta liberalidade materna, que a nossa sacrossanta Mãe Igreja proporciona aos seus filhos, revela plenamente que a unidade da Igreja consiste no alicerce inabalável da fé comum, alicerce que é tão eterno quanto invencível, não havendo necessidade alguma de inventar outros elementos de unificação, tais como idioma litúrgico comum para a Igreja inteira, etc.

354. Em que consiste a comunhão entre a Igreja terrena e a Igreja celestial?

Consiste:

    1. Em serem as comunidades, tanto de uma quanto de outra, perfeitamente unidas, formando Um Só corpo A Santa Igreja de Cristo:
    2. "Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma o peração;

      Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros" (Epístola de São apóstolo Paulo aos Romanos 12:4-5).

    3. Na união da fé, da oração e do amor.

A comunidade da Igreja terrena ergue as suas orações aos céus de Deus, venera e invoca os santos, suplicando-lhes o auxílio, junto ao trono do Senhor. A comunidade da Igreja celestial, constituída por santos, que vivem na eterna felicidade, e que, por esta razão, se encontram num grau superior da bem-aventurança, roga por nós, reforçando e purificando as imperfeitas orações dos seres humanos, por intermédio de sua constante mediação junto à majestade de Deus. Independente disto, pela vontade de Deus, exercem os santos uma atividade direta sobre a comunidade da Igreja terrena, em forma de um poder invisível e espiritual, que atua diretamente sobre a alma dos fiéis, ou então em forma de aparições milagrosas e outras manifestações semelhantes, tudo isto destinado a influenciar de modo benéfico, esclarecedor e instrutivo a comunidade da Igreja terrena.

355. Em que se baseia a recomendação da Santa Igreja, para que os fiéis, componentes da Igreja terrena, recorram à mediação dos santos, que pertencem à Igreja celestial?

Esta recomendação baseia-se na sagrada tradição e nos exemplos colhidos nas Sagradas Escrituras.

Exemplificando:

O santo profeta e rei Davi exclama em sua oração dirigida a Deus: "Senhor e Deus de Abraão e de Isaac e de Jacó, os pais nossos."Nesta oração estão evocados os nomes dos santos a fim de reforçar o poder da oração. Isto acontece no sentido idêntico ao em que atualmente procede a Santa Igreja, quando suplica a "Cristo, Verdadeiro Deus nosso, pelas orações de sua Mãe Santíssima e de todos os santos."

Explicando o significado da "Divina Liturgia," São Cirilo de Jerusalém diz que "Rememoramos também aqueles que faleceram: inicialmente os patriarcas, os profetas, os apóstolos e os mártires, a fim de que acolha as nossas orações, por intermédio deles" (Ensinamentos de Mistérios: vol. 5 cap. 9).

No sermão, para o dia dos Quarenta Mátires, exclama São Basílio o Magno:

"Aqueles que estão entristecidos, e também, aqueles que se regozijam, que peçam o auxílio a estes Quarenta; os primeiros, para encontrar a solução das tristezas, os segundos, a fim de que o bom lhes seja preservado. Eis que avistamos aqui uma piedosa mulher, que roga a Deus pelos filhos dela; ela implora a volta do seu esposo ausente, ou talvez, suplica que a saúde seja devolvida ao enfermo. Que as orações vossas estejam junto aos mártires!"

356. Podemos encontrar a menção sobre a oração mediadora dos santos nas Sagradas Escrituras do Novo Testamento?

Sim. Já no crepúsculo da vida, por ocasião de seu exílio na ilha de Patmos, escreveu São João Evangelista um misterioso Livro, denominado "Apocalipse."Esta obra sagrada descreve uma visão sobrenatural cujo objetivo direto é o registro de todos os acontecimentos do porvir, que estão diretamente ligados com o futuro da Santa Igreja e do mundo todo.

Neste livro profético lemos:

"E veio outro anjo e pos-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para o pôr com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que está diante do trono. E o fumo do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus" (Apocalipse de São João Evangelista 8:3-4).

357. Podemos encontrar a prova do milagroso aparecimento dos santos, nos livros sagrados do Novo Testamento?

Sim. O Evangelho de São Mateus (27:52: 53) conta que após a morte na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo:

"E abriram-se as sepulturas e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dÊle, entraram na cidade santa (Cidade Santa Jerusalém), e apareceram a muitos"

No entanto, este milagre deve ser considerado realmente prodigioso e importante; mister é, pois, concordar que escondia simultaneamente um elevado e importante objetivo.

Sem dúvida, os santos ressuscitados apareceram aos habitantes de Jerusalém, a fim de comprovar a verdade mística, pela qual Nosso Senhor Jesus Cristo teria descido ao inferno, a fim de libertar os justos. (Ver o parágrafo 277). Este milagroso aparecimento repercutiu também vivamente no meio daqueles que permaneciam fiéis aos preceitos da lei antiga, tornando-os aptos a acolher os ensinamentos sagrados da lei nova, isto é, da Santa Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.

358. Quais são os testemunhos dos livros sagrados do Antigo e do Novo Testamento, sobre os milagres dos santos, que podiam ser apreciados no mundo material?

A presença da santidade do santo profeta Eliseu que ressuscitou um morto:

"E sucedeu que, enterrando eles um homem, eis que viram um bando, e lançaram o homem na sepultura de Eliseu: e, caindo nela o homem, e tocando os ossos de Eliseu, reviveu, e se levantou sobre os seus pés" (2 Livro dos Reis 13:21).

Os santos apóstolos faziam inúmeros milagres:

"E Deus pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias. De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saiam" (Atos Apostólicos 19:12).

Torna-se, pois, evidente, que mesmo após a morte, possuem os santos o poder sobrenatural de agir diretamente, ou indiretamente, por meio de objetos ou outros elementos, que faziam parte do seu uso pessoal durante a vida terrena.

No sermão apologético contra Juliano o Apóstata, diz São Gregório Magno: "Os corpos dos Santos exercem o mesmo poder, como as suas almas, quando são tocados ou venerados. E as gotículas do sangue, estes minúsculos sinais do seu martírio, possuem o poder de ação, igual aos dos seus corpos ." São João Damasceno afirma: "O Cristo soberano doou-nos as relíquias (Relíquias restos mortais sagrados dos santos, fragmentos de roupas dos mesmos, etc.) dos santos, como as fontes da salvação, fontes essas que exercem as mais diversas generosidades."Mais adiante diz o mesmo santo: "Como, se por intermédio do seu pensamento, Deus morou nos seus corpos" ("Teologia," Livro 4, cap. 15, versos 3-4).

359. Por que afirmamos que a Igreja é santa?

A Igreja é santa, pois ficou santificada pelos padecimentos, o martírio, os ensinamentos e a oração de Nosso Senhor Jesus Cristo:

"Como também Cristo amou a Igreja, e a Si mesmo Se entregou por ela, Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água pela Palavra. Para a apresentar a si mesmo Igreja gloriosa, sem mácula nem ruga nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível" (Epístola de São Paulo apóstolo aos Efésios 5:25-27). Orando pelos fiéis, dirigindo-se ao seu eterno Pai, exclama o Nosso Salvador: "Santifica-os na verdade: a tua palavra é a verdade... E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade" (Evangelho de São João 17:17-19).

360. Como podemos considerar a Igreja santa, se os pecadores também fazem parte dela?

Os pecadores que, entretanto, purificam constantemente as suas almas por meio da penitência, não impedem que a Igreja seja santa. Todavia, aqueles que persistem nos seus erros, ficam afastados do sagrado corpo da Igreja, ou pelas autoridades terrenas da Santa Igreja ou pela temível ação dos vereditos de Deus. Desta forma a Igreja conserva a sua santidade sem qualquer prejuízo:

"Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo" (1 Epístola de São Paulo apóstolo aos Coríntios 5:13). "Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade" (2 Epístola de São Paulo, apóstolo, a Timóteo 2:19).

361. Por que razão denominamos a Santa Igreja Universal (ou Católica) Ortodoxa? (Ver o parágrafo 353).

Denominamos Universal a Santa Igreja, porque:

    1. A Santa Igreja não se restringe a um determinado lugar, mas sim, estende-se a todas as regiões do mundo.
    2. A Santa Igreja não se circunscreve a um determinado período de tempo, pois desde a sua fundação pelo Salvador dos homens, é destinada a perdurar por todos os séculos dos séculos.
    3. A Santa Igreja não se limita a uma determinada nação ou agrupamento de homens, mas sim, estende-se a todas as nações do globo terrestre, independente de qualquer condição local, ou período histórico. São Paulo Apóstolo diz que na Igreja de Cristo: "Não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro (Bárbaro denominação dada pelos Romanos a todos os povos não romanos), cita (cita denominação dos povos eslavos num baixo nível cultural), servo ou livre: mas Cristo é tudo em todos" (Epístola aos Colossenses 3:11). "De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão" (Epístola de São Paulo, apóstolo, aos Gálatas 3:9).

362. Quais são as coisas importantes, que devemos saber sobre a Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa?

    1. Devemos saber que, conforme a promessa de Nosso Senhor Jesus Cristo: "As Portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Evangelho de São Mateus 16:18).
    2. Devemos saber que Nosso Senhor Jesus Cristo está com ela. "Todos os dias, até a consumação dos séculos" (Evangelho de São Mateus 28:20).
    3. Devemos saber que a glória de Deus permanece com a Santa Igreja: "Por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre" (Epístola de São Paulo, apóstolo, aos Efésios 3:21).

Disto se segue que a Santa Igreja não pode, sob hipótese alguma, afastar-se da fé verdadeira, nem pode errar nos ensinamentos das verdades da fé, nem, tão pouco, cometer heresias.

Na "Mensagem Pastoral dos Patriarcas Orientais, sobre a fé Ortodoxa," artigo 12, lemos:

"Confessamos, indubitávelmente, a firme verdade, que a Igreja Universal não pode cometer erros, ou enganos, divulgando mentiras ao invés da verdade; porque o Divino Espírito Santo, atuando sempre pelos Pais e Ensinadores da Igreja, que servem a ela, preserva-os de toda iniqüidade e erro."

363. Porquanto a Santa Igreja Universal, Apostólica Ortodoxa é detentora de todas as verdades celestiais, é necessário que todo aquele que almeja a salvação eterna, faça parte da comunidade terrena desta Santa Igreja?

Sim. Isto é perfeitamente necessário. Diz São Paulo apóstolo:

"Cristo é a cabeça da Igreja: sendo Ele próprio o salvador do corpo" (Epístola aos Efésios 5:23).

Isto significa que, para conseguir a salvação eterna, é mister fazer parte do corpo de Cristo, que é a Santa Igreja Universal, Apostólica Ortodoxa. O apóstolo São Pedro ensina-nos que o santo batismo nos proporciona a salvação, semelhante à arca de Noé, explicando que todos aqueles que se salvaram do dilúvio universal, tiveram como único meio de salvação a referida arca (Arca uma embarcação apropriada, construída a fim de briciar a família de Noé e os animais durante o dilúvio universal 1 Livro de Moisés (Gênesis 6:13).

Da mesma forma que a arca era o único meio de salvação dos eleitos de Deus, nos primórdios da humanidade, assim também a Santa Igreja Universal, Apostólica Ortodoxa é o único caminho certo e verdadeiro, que leva à salvação eterna. Aquele que conscientemente não faz parte da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa não pode conseguir a salvação no Reino dos Céus.

364. Que significa a denominação: "Igreja Oriental?"

"Igreja Oriental" é um nome que comumente se aplica à Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa. Esta denominação baseia-se no seguinte raciocínio:

    1. Numa região oriental (provávelmente entre os rios Tigre e Eufrates) encontrava-se o paraíso terrestre, que foi destinado à morada dos primeiros homens, antes deles terem cometido o pecado original.
    2. A lei antiga, isto é, o convênio sagrado entre Deus e os homens ficou firmado no Oriente, sendo criada a Igreja do Antigo Testamento.
    3. No Oriente, também, foi dada aos homens a promessa da chegada do Messias Salvador do gênero humano do pecado e da injustiça.
    4. Da mesma forma, foi no Oriente que Nosso Senhor Jesus Cristo realizou a obra da nossa salvação, assentando os alicerces da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa.

A Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa manteve até os dias atuais e continuará mantendo até o fim dos séculos a inalterada e imaculada pureza dos sagrados ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, atestados e confirmados pelos 7 Concílios Universais.

365. Por que a Santa Igreja se denomina "Apostólica"?

Porque conserva de forma ininterrupta e imaculada os ensinamentos dos santos apóstolos e a seqüência permanente das consagrações sacerdotais, abrigando em seu seio a herdade dos dons do Divino Espírito Santo. "Assim que já não sois estrangeiros mas concidadãos dos santos e da família de Deus; Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina" (Pedra Angular; Epístola de São apóstolo Paulo aos Efésios 2:19-20).

 

366. Que nos ensina a "Profissão de Fé Ortodoxa," denominando a Santa Igreja: "A Igreja Apostólica?"

Denominando "Apostólica" a Santa Igreja ensina-nos a "Profissão de Fé Ortodoxa" a conservar os ensinamentos sagrados dos santos apóstolos, procurando afastar-nos de todos os ensinamentos que não possuem como base a instrução apostólica imaculada e inalterada.

Diz São Paulo Apóstolo: "Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa (2 Epístola aos Tessalonicenses 2:15)."Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o "(Epístola de São Paulo apóstolo a Tito 3:10)."Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores... Aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância "(Epístola de São Paulo apóstolo a Tito 1:10-11)."E, se também não escutar a Igreja, considera-o como um gentio e publicano "(Gentio e publicano ver a explicação no parágrafo 350; Evangelho de São Mateus 18:17).

367. Por que razão a Santa Igreja Universal Apostólica se denomina também "Ortodoxa"?

A Santa Igreja Universal Apostólica denomina-se Ortodoxa, porque conservou ao pé da letra todos os ensinamentos sobre a sagrada fé sem alteração alguma.

Desde o tempo dos apóstolos e dos primeiros adeptos de nosso Senhor Jesus Cristo, não foi adicionado ou reduzido o que quer que seja nos sagrados ensinamentos básicos da religião cristã.

Ortodoxo, quer dizer: Aquele que crê corretamente, conservando inalterada a fé original. A Santa Igreja Universal Apostólica orgulha-se com toda a justiça de poder denominar-se Ortodoxa, pois a história é a testemunha inconfundível das lutas e dos sofrimentos que teve de suportar, para manter conservada em pureza cristalina a celestial pérola dos ensinamentos do Salvador.

Sabedores desta verdade inabalável, todos os povos da terra, Mesmo aqueles que não se beneficiaram com a luz da verdade, atribuem o nome "Ortodoxa" à nossa Santa Igreja.

368. Existem outras religiões cristãs? Se existem, por que então não estão unidas com a Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa?

Existem, na realidade, várias religiões cristãs. Arianos, Monofisitas, Monofilitas, Católicos Romanos, Protestantes, Calvinistas, Anglicanos, Batistas e outras seitas, que, apoiados na individualidade falha e imperfeita dos seus líderes, conseguiram criar inúmeros agrupamentos religiosos operando por meio dos seus pregadores, os quais aproveitando da ignorância e da boa fé dos seres humanos, sendo apoiados freqüentemente por grandes fortunas financeiras, conseguem grandes numero de adeptos.

Aproveitando-se das conjunturas favoráveis da política, durante os séculos passados, alguns agrupamentos religiosos conseguiram firmar a sua posição de modo tão eficiente, que atualmente representam comunidades com imponente número de crentes. As mais recentes estatísticas demonstram que no mundo cristão, que representa 601.016.718 almas, há 338.385.939 católicos romanos e 135.000.893 crentes de todas as seitas protestantes reunidas. Assim temos o número 127.629.986, que corresponde ao total, de adeptos da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa. Todavia, estes dados sobre o número legal dos Ortodoxos no mundo inteiro, não correspondem ao verdadeiro estado de coisas, visto não ser levada em consideração a população ortodoxa da Rússia, sendo impossível todo e qualquer recenseamento neste sentido nas condições políticas atuais. É mister anotar que os adeptos de todas as religiões cristãs juntas, inclusive da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, representam somente uma parcela diminuta da população do globo terrestre. As mesmas recentes estatísticas revelam que ao lado de 601 milhões de Cristãos existem na terra 1 bilhão, 601 milhões, 843 mil e 102 membros das mais diversas religiões não-cristãs. (The United States and World Relations Lilian T. Mowrer and Howard H. Cummings, New York 1952).

Nestas circunstâncias há ainda muito que fazer, até que o Cristianismo triunfe no mundo todo.

Os agrupamentos cristãos, acima mencionados, não conservaram, porém, a pureza imaculada dos ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Privados da orientação sábia e esclarecida dos santos Concílios Universais e tendo perdido os dons do Espírito Santo, que formam os próprios alicerces da verdadeira fé, incorreram estas religiões em inúmeros erros teológicos, alguns deles extremamente graves. Alterando e maculando a pureza original da fé, e não desejando, ao mesmo tempo, corrigir de boa vontade os flagrantes desvios teológicos, foram estes agrupamentos religiosos colocados em posição de apostasia, isto é, considerados heréticos (Heresia interpretação e profissão errônea da fé. Herege adepto da Heresia) e desligados da união com a Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa.

369. Quem são os hereges?

Os hereges são todos aqueles que alteraram os dogmas (Dogma Lei inabalável da Santa Igreja) da Santa Igreja, ou então recusaram-se a aceitar alguns deles, ou, por fim, aqueles que introduziram, por sua alta recreação, novos dogmas fruto de pura invencionice.

370. Como, denominamos aqueles que não alteraram os dogmas, nem introduziram outros novos, tendo conservado todos os dogmas originais da Igreja, permanecendo, entretanto, desligados da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa?

Aqueles que não alteraram os dogmas, nem introduziram outros novos, permanecendo, entretanto, desligados da Santa Igreja, denominamos cismáticos (Cisma Desligamento. Cismático aquele que se desligou da Santa Igreja). Esta denominação atinge por exemplo os "velhos crentes" da Rússia e especialmente os "Grego-Armênios."

371. Quando aconteceu o desligamento dos acima mencionados agrupamentos religiosos da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa?

Os Arianos desligaram-se no século IV; os Monofisitas, no século V; os Monofilitas, no século VII; os Católicos Romanos, no século XI (Os Protestantes, Calvinistas, Anglicanos e outras seitas congêneres, desligaram-se do Catolicismo Romano); e, finalmente, os "velhos crentes" da Rússia, no século XVII.

 

 

 

A Hierarquia da Santa Igreja

Universal Apostólica Ortodoxa.

372. Existe no seio da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa uma instituição, na qual se conserva a continuidade permanente do Ofício Apostólico?

Sim. Esta instituição denomina-se a hierarquia da Santa Igreja.

373. Onde encontra o seu princípio a hierarquia da Santa igreja Universal Apostólica Ortodoxa?

Encontra o seu princípio no próprio Salvador da humanidade, Nosso Senhor Jesus Cristo. O desenvolvimento da hierarquia Eclesiástica teve o seu início após a descida do Divino Espírito Santo sobre os apóstolos, no dia de Pentecostes, mantendo-se até os nossos dias a seqüência contínua e ininterrupta de consagrações sacerdotais: "E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores. Querendo o aperfeiçoamento dos santos para a obra do ministério (sacerdócio), para edificação do corpo de Cristo" (Epístola de São Paulo aos Efésios 4:11-12).

374. Como denominamos o poder hierárquico da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, que tem o poder de estender a sua autoridade sobre a Igreja inteira?

Denominamos Concílio Universal, que estende a sua autoridade sobre todos os fiéis.

375. Qual é o, poder hierárquico que governa a maioria das Santas Igrejas Ortodoxas existentes em diversos países?

É o poder que está nas mãos dos Patriarcas ou dos Sagrados Sínodos (Conselho misto do clero e fiéis, sob supervisão de um Bispo, Arcebispo ou Metropolita).

376. Qual é o poder hierárquico que governa distritos menores?

É o que está nas mãos de bispos, Arcebispos ou metropolitas. (NB: arcebispo e metropolita são unicamente títulos honoríficos conferidos aos bispos, merecedores de distinção toda especial).

377. De que maneira a Santa Igreja exerce a missão sacerdotal e governa sobre os fieis?

Ofertando o supremo sacrifício da Eucaristia, distribuindo os Santos Sacramentos, santificando, abençoando e orando por todos aqueles que necessitam de sua mediação junto ao trono de Deus, principalmente adeptos de nossa sagrada fé, tanto vivos, quanto já falecidos. A Santa Igreja governa sobre os fiéis, incentivando-os a uma vida pura e justa, apoiada no sentimento sagrado de temor divino; expedindo resoluções e ordens, julgando, pronunciando vereditos, e aplicando diversas penalidades.

378. Quais são as principais penalidades aplicadas pela Santa Igreja?

São:

    1. Proibição de participar do mistério da Sagrada Eucaristia.
    2. Proibição de participar também de qualquer dos outros Santos Sacramentos.
    3. Recusa de sepultamento eclesiástico e cristão.
    4. "Anátema," isto é, expulsão da comunidade da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, o que equivale à perda total do direito a todos os benefícios decorrentes do fato de pertencer à Santa Igreja de Jesus Cristo.

379. Pertencer formalmente à Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa é por si só suficiente?

Não. Pertencer à Santa Igreja só formalmente, isto exteriormente não é, em absoluto, suficiente.

Além de ser nominalmente membro da Santa Igreja, todo fiel deve pertencer a ela interiormente; por meio de viva fé, obediência aos seus ensinamentos sagrados, e um amor puro e sincero; vivendo, em suma, sempre em pleno acordo com esses sagrados princípios.

 

Os Santos Concílios Universais.

380. Como podemos saber quais são as resoluções da Santa Igreja?

As resoluções da Santa Igreja são:

    1. As Escrituras Sagradas.
    2. O Direito Apostólico.
    3. As disposições e artigos dos Concílios Universais.
    4. As disposições e artigos dos Concílios locais.
    5. As disposições eclesiásticas permanentes.

381. Que é o Concílio Local?

O Concílio Local é uma reunião de Pastores e Ensinadores da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, porém, não do mundo todo, mas somente de uma determinada região.

382. Quem deu o primeiro exemplo da necessidade destas reuniões?

Os santos apóstolos deram o primeiro exemplo, comparecendo ao primeiro Concílio Apostólico em Jerusalém.

383. Quem presidiu o primeiro Concílio Apostólico em Jerusalém?

São Tiago, apóstolo.

384. Por que razão se reúnem os Concílios?

Os Concílios reunem-se obedecendo às palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, que conferiu poder a todas as determinações da Santa Igreja. Aqueles que, porventura, a elas desobedecem, são privados da graça do Divino Espírito Santo, sendo considerados pagãos.

"E, se não escutar a Igreja, considera-o como um gentio e publicano" (Ver parágrafo 350).

O meio, porém, pelo qual a Santa Igreja divulga as suas determinações, é o Concílio Universal.

385. Por que foi convocado e que deliberou o primeiro Concílio Universal?

O primeiro Concílio Universal foi convocado a fim de proceder ao julgamento do ensinamento errôneo formulado por Ário, que afirmava ser Nosso Senhor Jesus Cristo unicamente uma suprema criação do Deus Pai, e não um Deus igual em essência ao Pai Celestial, como o é na realidade. Da mesma forma, alegava Ário, que nosso Senhor não existia desde o princípio dos séculos, como o ensina a nossa Santa Igreja, mas que foi criado dentro de tempo; e o fato de ser denominado Deus, não quer dizer que ele seja Deus em pessoa, mas sim, que supera em perfeição todas as outras criaturas.

Convocados pelo imperador bizantino Constantino, reuniram-se no dia 20 de maio do ano de 325, na cidade de Nicéia, 318 bispos além dos numerosos sacerdotes e diáconos da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa.

Grandes luminares e doutores da nossa sagrada fé tomaram parte ativa nos debates. Entre muitos outros devem ser mencionados: São Nicolau, arcebispo de Mirra em Liquia; São Spiridono de Trimifunda; Jacó, Bispo de Nizibéia; Pafuncio; Santo Atanásio Arquidiácono, que posteriormente foi designado para a cátedra de arcebispo de Alexandria.

O Concílio resolveu condenar os ensinamentos de Ário, proclamando o dogma da co-essência (essência comum) do Deus Filho com Deus Pai.

A fim de concretizar a fé verdadeira em poucos, porem essenciais, pontos básicos, foi criada a "Profissão de Fé Ortodoxa."

O Concílio chegou a precisar os primeiros 7 artigos. Além desta, tomou o Concílio em Nicéia outras 20 deliberações, concernentes à vida da Santa Igreja.

386. Por que foi convocado e que deliberou o segundo Concílio Universal?

O segundo Concílio Universal foi convocado a fim de proceder ao julgamento da heresia de Macedônio, que se recusou a aceitar a divindade do Espírito Santo, denominando o "fôrça" ou "poder" e afirmando que este "poder" está dependendo tanto do Deus-Pai, quanto do Deus-Filho.

Para pôr termo a constantes e infrutíferas discussões, que se travaram a respeito no seio da Santa Igreja, resolveu o imperador bizantino Teodósio O convocar um Concílio na cidade de Constantinopla (Constantinopla Capital do Império Bizantino, desde 1453 em poder dos Turcos. Atualmente denomina-se Istambul. Sede permanente do Patriarca Ecumênico da Santa Igreja Ortodoxa) no ano de 381. Neste Concílio reuniram-se 150 bispos Ortodoxos, entre os quais se destacaram de modo todo especial: São Gregório o Teólogo, São Gregório de Nissa e São Melétio de Antioquia.

O Concílio deliberou condenar não somente as afirmações heréticas de Macedônio, mas também todos os ensinamentos provenientes das ramificações da heresia de Ário. Formulou-se também o dogma da igualdade e da coessência do Divino Espírito Santo com o Deus-Pai e o Deus-Filho.

O Concílio resolveu adicionar à "Profissão de Fé Ortodoxa" os artigos sobre o Espírito Santo, a Santa Igreja, os Sacramentos (O batismo), a ressurreição dos mortos e a vida futura.

O fato de o primeiro Concílio Universal realizar-se em Nicéia e o segundo em Constantinopla, justifica a denominação de "Profissão da Fé Niceo-Constantinopolitana," que comumente se aplica à nossa "Profissão de Fé Ortodoxa."

387. Por quem foi convocado e que deliberou o terceiro Concílio Universal?

Foi convocado pelo imperador bizantino Teodósio o Moço no ano 431 na cidade de Éfez, tendo por escopo julgar os errôneos ensinamentos de Nestório.

Este afirmava que a Santíssima Virgem Maria deu à luz ao homem denominado Jesus, que estava ligado com Deus unicamente por laços de ordem moral, e que Deus morava em Jesus, só como num templo, da mesma forma como anteriormente vivia no âmbito espiritual de Moisés e dos outros profetas. Por esta razão denominava Nestório a nosso Senhor Jesus Cristo, "Portador de Deus" e não Deus-Homem, e a Nossa Senhora Mãe de Cristo e não Mãe de Deus.

O Concílio deliberou condenar sumariamente os falsos ensinamentos de Nestório e afirmou a verdade inconfundível, que Nosso Senhor Jesus Cristo é o verdadeiro Deus e verdadeiro homem em absoluta perfeição, como também definiu que nossa Senhora e sempre Virgem Maria deve ser denominada Mãe de Deus, visto ter dado à luz a natureza humana de Jesus Cristo, que, entretanto, é simultaneamente Deus, como segunda Pessoa da Santíssima Trindade.

Além desta importantíssima deliberação, resolveu o terceiro Concílio Universal reafirmar a veracidade da "Profissão da Fé Niceo-Constantinopolitana," proibindo que nela se faça qualquer alteração.

Simultaneamente, foi confirmado o veredito do Concílio local em Cartagena, realizado no ano 418, quando foi denunciada e condenada a heresia de Pelágio, que afirmava a inexistência do pecado original.

388. Por quem foi convocado e que deliberou o quarto Concílio Universal?

Foi convocado pelo imperador Marquiano em Calcedônia, no ano de 451, para condenação da heresia de Eutíquio, denominada "heresia dos monofisitas."

Eutíquio era inimigo encarniçado de Nestório e, desejando destruir os ensinamentos deste último, caiu num erro exatamente oposto. Alegava que a natureza humana de Nosso Senhor Jesus Cristo estava tão entranhada na natureza divina, que na realidade desaparecia, devendo-se considerar no Salvador unicamente a última.

O Concílio condenou a heresia dos monofisitas e deliberou que Nosso Senhor Jesus Cristo é um verdadeiro Deus e um verdadeiro homem; que a sua natureza divina foi gênita do Pai antes de todos os séculos e que a sua natureza humana veio ao mundo por intermédio de nossa Senhora e sempre Virgem Maria, que foi escolhida para ser a mãe do Salvador pelo Eterno Pai. Desta forma, Jesus Cristo-Homem nasceu na terra em tudo igual a qualquer um dos homens, fora o pecado.

Além disto, no próprio ato da encarnação, a natureza divina e a natureza humana uniram-se em Jesus Cristo inalteradamente e inconjuntamente (Contra a heresia de Eutiquio); como também inseparadamente e indivisivelmente (contra a heresia de Nestório). Foram tomadas mais outras 30 deliberações de caráter religioso, que regularizavam os assuntos da vida eclesiástica. Simultaneamente o Concílio fixou os limites territoriais dos cinco principais Patriarcados, isto é, do.

    1. Patriarcado de Roma (Naquele tempo a Igreja Romana fazia ainda parte da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa);
    2. Patriarcado de Constantinopla;
    3. Patriarcado de Alexandria;
    4. Patriarcado de Antioquia;
    5. Patriarcado de Jerusalém.

389. Por quem foi convocado e que deliberou o quinto Concílio Universal?

Foi convocado pelo imperador bizantino Justiniano I, no ano de 553, na cidade de Constantinopla, a fim de resolver os litígios, que surgiram em torno dos livros escritos por: Teodoro, Teodorito e Ivo, todos eles membros da Igreja Síria (Patriarcado de Antioquia).

Estas obras foram escritas em espírito dos ensinamentos heréticos de Nestório, e apresentavam, como tais, um grave perigo às almas dos fiéis.

Por esta razão, foram condenadas, caindo sob o efeito desta condenação o próprio Teodoro, que persistiu até a sua morte nos erros que havia promulgado.

390. Por quem foi convocado e que deliberou o sexto Concílio Universal?

Foi convocado pelo imperador bizantino Constantino Pogoniato, na cidade de Constantinopla, no ano de 680, a fim de condenar a heresia dos monofelitas, que afirmavam ter Nosso Senhor Jesus Cristo somente uma vontade, apesar de possuir duas naturezas (divina e humana). Esta heresia causou grave confusão visto haver altas personalidades que a ela aderiram. Entre outros foram os patriarcas: Sérgio de Constantinopla e Onório de Roma, que aceitaram este ensinamento.

Os principais defensores da verdadeira fé foram: -o patriarca Sofrônio de Jerusalém e um esclarecido monge de Constantinopla de nome Máximo.

O Concílio condenou a heresia dos monofelitas e deliberou ser verdadeira a afirmação de que em Nosso Senhor Jesus Cristo, existem simultaneamente duas naturezas e duas vontades (divina e humana) e que a vontade humana de Jesus Cristo não contradiz a sua própria vontade divina, mas sim lhe está sujeita.

Concílio interrompeu as suas reuniões, voltando a deliberar somente após decorridos 11 anos.

Nestas reuniões discutiram-se assuntos relativos à vida interna da Santa Igreja; assentaram-se os alicerces para a formação de um "Livro das Regras da Santa Igreja."

A primeira redação continha 85 Regras do Direito Apostólico, deliberações dos primeiros 6 Concílios Universais e dos 7 Concílios locais, como também diversas Regras, estabelecidas pelos Santos Pais da Igreja.

Posteriormente, esta Coletânea de Regras foi ampliada pelas deliberações tomadas no sétimo Concílio Universal e outros dois Concílios locais.

Concretizando as bases principais para um proveitoso e justo governo dos assuntos eclesiásticos, foram todas estas Regras reunidas num só livro denominado "Nomocanon."Este livro é de uma importância única, pois representa um compêndio de leis obrigatórias e inalteráveis.

O sexto Concílio Universal denomina-se também: "Concílio de Trule," pois assim se denominava o palácio onde se reuniam os componentes do conclave.

391. Por quem foi convocado e que deliberou o sétimo Concílio Universal?

Foi convocado pela imperatriz bizantina Irene, esposa do imperador Leão César, e realizou-se na cidade de Nicéia no ano de 787.

Tornou se mister, pois, convocar este Concílio devido à heresia dos iconoclastas (perseguidores de imagens santas).

O Concílio condenou esta heresia e deliberou que as imagens santas devem ser colocadas nas Igrejas da mesma forma como a santa cruz e que as mesmas devem ser veneradas, não por serem feitas de um metal precioso ou adornadas com jóias, mas sim porque representam os santos que gozam de eterna bem-aventurança nos céus de Deus. Orando, portanto, perante uma Ícone (imagem santa), não nos dirigimos a um pedaço de madeira ou de ouro, porém, erguemos as nossas preces ao santo, cujo semblante está reproduzido na imagem.

 

O Sacramento do Batismo.

392. Por que se menciona na "Profissão de Fé Ortodoxa" o Santo Sacramento do Batismo?

O Santo Sacramento do Batismo menciona-se na "Profissão de Fé Ortodoxa" pela razão de afirmar-se a fé por este e outros Santos Sacramentos.

393. Que é um Santo Sacramento?

O Santo Sacramento é um sagrado e eficiente ato, consumado por um sacerdote Ortodoxo, por intermédio do qual, a invisível graça de Deus penetra na alma dos homens.

394. Quem concede o poder aos Santos Sacramentos, que determina a presença neles da graça divina?

O poder, que determina a presença da graça divina nos Santos Sacramentos, é concedido por Nosso Senhor Jesus Cristo, que os instituiu.

395. De que forma nos santificam os Santos Sacramentos?

Proporcionando-nos a Graça Santificadora ou reforçando esta Graça, acaso já A possuamos, ou então nos proporcionando a Graça Movedora (Ver o parágrafo 324).

396. Quais são os Santos Sacramentos?

Temos sete Santos Sacramentos, a saber:

    1. O Santo Sacramento do Batismo.
    2. O Santo Sacramento da Confirmação (ou Crisma).
    3. O Santo Sacramento da Eucaristia,
    4. O Santo Sacramento da Confissão (ou Penitência).
    5. O Santo Sacramento da Ordem.
    6. O Santo Sacramento do Matrimônio.
    7. O Santo Sacramento da Extrema Unção (ou Óleos Santos).

397. Qual a ação que estes Santos Sacramentos produzem em nossas almas?

    1. No Santo Sacramento do Batismo, as nossas almas renascem de um modo sobrenatural para uma nova vida espiritual.
    2. No Santo Sacramento da Confirmação (ou Crisma), recebemos a Suprema Graça, que deve acompanhar-nos durante a vida inteira.
    3. No Santo Sacramento da Eucaristia, renascemos espiritualmente.
    4. No Santo Sacramento da Confissão (ou Penitência), curamo-nos dos males do espírito, isto é, dos pecados.
    5. No Santo Sacramento da Ordem, adquirimos a suprema Graça, que possibilita levar o renascimento espiritual aos outros, educar as almas por meio de ensinamentos da verdade e efetivação dos Santos Sacramentos (NB.: O sacerdote pode efetuar todos os Santos Sacramentos, exceto o Santo Sacramento da Ordem, cujo proceder é reservado exclusivamente aos bispos da Santa Igreja Ortodoxa; o diácono não pode efetuar Santo Sacramento algum, salvo o Batismo, no caso de não ser possível recorrer ao concurso de um sacerdote. Aliás nestes casos de emergência é permitido ser o Batismo efetuado por qualquer pessoa, leiga (homen ou mulher). (Ver o parágrafo 410).
    6. No Santo Sacramento do Matrimônio recebemos a Suprema Graça que santifica e legaliza perante Deus e os homens a união do homem e da mulher, exercendo-se este poder também sobre: a criação e educação dos filhos.
    7. No Santo Sacramento da Extrema Unção (ou óleos Santos), recorremos à Suprema Graça Divina, a fim de conseguir a cura do corpo adoentado, por meio da cura da alma.

398. Por que razão, todos os Santos Sacramentos não são mencionados na "Profissão de Fé Ortodoxa," e sim somente o Santo Sacramento do Batismo?

Isto se esclarece perfeitamente se levarmos em consideração que, por ocasião da compilação final do texto definitivo da "Profissão de Fé Ortodoxa," surgiram dúvidas quanto à necessidade ou não de re-batizar os heréticos, que voltavam ao seio da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa. A fim de resolver este assunto uma vez por todas, resolveram, os Santos Pais do segundo Concílio Universal (Ver o parágrafo 386), discriminar com absoluta precisão que a Igreja aceita "Um só batismo."Por esta razão, a questão do Batismo ficou estipulada na "Profissão de Fé Ortodoxa," tornando-se desnecessário mencionar outros Santos Sacramentos, sobre: os quais nunca surgiu alguma dúvida.

399. Os Santos Sacramentos podem ser recebidos repetidamente ou só uma vez na vida?

Os Santos Sacramentos do Batismo, da Confirmação (ou Crisma), e do Sacerdócio podem ser recebidos uma única vez durante a vida. Outros Santos Sacramentos podem ser recebidos repetidas vezes.

400. Por que razão podemos receber os Santos Sacramentos do Batismo, da Confirmação (ou Crisma) e do Sacerdócio, só uma vez durante a vida?

Porque estes Santos Sacramentos causam uma transformação essencial nas almas, imprimindo-lhes marcas indestrutíveis.

401. Como devemos entender esta discriminação "marcas indestrutíveis?"

A marca indestrutível é um poder supremo, que se fixa na alma com firmeza toda especial, proporcionando-lhe: uma dignidade superior, e permanecendo nela eternamente para a sua maior glória ou para sua mais temível condenação.

402. A ação dos Santos Sacramentos sobre as nossas almas é sempre acompanhada de Graça Divina?

Sim, é sempre acompanhada de Graça Divina salvo se nós os recebermos indignamente, impedindo a penetração desta graça no íntimo das nossas almas.

403. Como devemos participar dos Santos Sacramentos a fim de receber condignamente a Graça Divina?

Devemos preparar-nos de modo digno e consciencioso.

404. Qual é o pecado daquele que recebe os Santos Sacramentos indignamente e sem preparo?

Aquele que recebe os Santos Sacramentos indignamente te e sem preparo peca terrivelmente, pois comete um sacrilégio.

 

Sobre o Santo Sacramento do Batismo.

405. Que é o Santo Sacramento do Batismo?

O Santo Sacramento do Batismo é o primeiro e o mais importante dos Santos Sacramentos.

Neste Santo Sacramento o homem morre para a vida material, isto é, para a vida de pecado, renascendo pelo poder do Divino Espírito Santo, para uma vida espiritual e santa.

O processo de imersão batizando n'água com simultânea invocação da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), causa esta transformação fundamental na alma humana.

"Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus" (Evangelho de São João 3:5).

406. Por que consideramos como sendo o primeiro o Santo Sacramento do Batismo?

Porque é necessário ser batizado para receber qualquer um dos outros Santos Sacramentos.

407. Por que consideramos como sendo o mais importante, o Santo Sacramento do Batismo?

Porque sem este Santo Sacramento ninguém pode ser salvo (Ver o parágrafo 405).

408. De quando data a prática deste Santo Sacramento?

São estes os dados colhidos nos Livros Sagrados do Novo Testamento, que elucidam a nossa pergunta:

    1. "João batizou com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo" (Atos Apostólicos 19:4). Estas são as palavras pronunciadas por São Paulo apóstolo, ao ser indagado pelos Efésios, quanto ao batismo praticado pelos adeptos de nosso Senhor Jesus Cristo.
    2. "E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando Ele, o céu se abriu; E o Espírito Santo desceu sobre Ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és meu Filho amado, em Ti me tenho comprazido" (Evangelho de São Lucas 3:21-22). Este fato demonstra que o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo havia dado o exemplo de batismo.
    3. "Portanto ide, ensinai todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Evangelho de São Mateus 28:19). Assim, fica estabelecida a necessidade imprescindível de receber o Santo Sacramento do Batismo, porquanto as próprias recomendações do Nosso Salvador o indicam.
    4. "Mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus" (l Epístola de São Paulo apóstolo aos Coríntios 6:11). Este ensinamento foi proferido pelo apóstolo das Nações explicando aos fiéis o valor do Batismo.

409. Qual é o valor do Santo Sacramento do Batismo?

É o seguinte:

    1. Redime todos os pecados que pesavam sobre a consciência do homem antes do Batismo, principalmente o pecado original, que todos herdam ao nascer do primeiro homem Adão.
    2. Confere ao homem a Graça Santificadora, que causa o renascimento espiritual da alma, tornando-nos filhos de Deus e herdeiros da eterna felicidade nos Céus.
    3. Torna o batizando, membro efetivo da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, afixando nele um indestrutível sinal de Cristão.

410. Quem pode efetuar o Santo Sacramento do Batismo?

Somente o sacerdote ou o bispo pode efetuá-lo. Todavia em caso de emergência e impossibilidade de recorrer ao concurso de um dos prelados mencionados, pode o Santo Sacramento do Batismo ser efetuado por todo e qualquer fiel da Santa Igreja Ortodoxa. No entanto, na primeira oportunidade que se apresentar, o batizando deve ser levado à presença de um sacerdote a fim de lhe serem ministrados certos complementos do Santo Sacramento do Batismo (unção com os Santos óleos etc.).

411. Que deve fazer a pessoa que batiza?

    1. Deve ter a plena consciência de que está procedendo a um ofício sagrado, com um desejo profundo e sincero de fazê-lo com o máximo empenho, no mesmo sentido em que o executa a Santa Igreja.
    2. Deve fazer três vezes a imersão em água do batizando, dentro de um recipiente suficientemente fundo. Para o Santo Sacramento do Batismo utiliza-se geralmente a água benta, isto é, abençoada pelo sacerdote. Acaso não haja a possibilidade de utilizar esta água, pode o Batismo ser efetuado com água comum. Se não houver água suficiente para a imersão, é permitido batizar jogando água por três vezes sobre a cabeça do neófito. Mas em caso de que nem água possa ser encontrada (p. ex. no deserto, dentro de uma mina etc.), utiliza-se para o mesmo fim um pouco de óleo ou até um punhado de areia. Em todo o caso, nunca devemos deixar de batizar uma pessoa em situação de extrema necessidade, usando-se os recursos acima apontados.
    3. A pessoa que batiza, deve voltar-se para o oriente, pronunciando as seguintes palavras: "Batiza-se o servo de Deus (ou" a serva de Deus, "conforme o sexo da pessoa a ser batizada) NOME (aqui pronuncia-se o nome a ser dado ao batizando), em nome do Pai, Amém; e do Filho, Amém; e do Espírito Santo, Amém. A imersão na água procede-se cada vez que a pessoa que batiza pronuncia o Nome de uma das pessoas da Santíssima Trindade.

412. Quais são as partes e os atos principais do Santo Sacramento do Batismo?

A primeira parte do Santo Sacramento do Batismo denomina-se "o oficio dos catecúmenos" (Catecúmenos aqueles que se preparam para receber o Santo Sacramento do Batismo). O sacerdote pronuncia orações e exorcismos, destinados a expelir todo e qualquer espírito maligno que porventura se tenha alojado na alma do catecúmeno. Em seguida vira-se este último para o lado do ocidente, pronunciando as palavras de renúncia de Satanás e de todos os seus males. Voltando-se novamente para o oriente, declara por três vezes o seu desejo de aderir a Jesus Cristo; confirma a sua fé nEle e acaba de pronunciar a "Profissão de Fé. Ortodoxa."

Se o catecúmeno é uma criança (como acontece, aliás, quase sempre), todas as palavras a ele atribuídas são pronunciadas pelos padrinhos de Batismo).

Na segunda parte do Santo Sacramento do Batismo, o sacerdote pronuncia orações e ectenias (Ectenia Orações seguidas, intercaladas com coro ou salmista), abençoando em seguida a água e o óleo. Depois, o sacerdote faz tríplice sinal da cruz dentro d'água com um pequeno pincel untado de óleo bento. Com este mesmo pincel umedecido com o óleo bento, o sacerdote faz o sinal da cruz na testa, no peito, nos braços, nos ouvidos, nas mãos e nos pés do candidato ao Santo Sacramento do Batismo. Segue-se o ato do próprio Sacramento, após o que veste-se o batizando com roupa inteiramente branca, que simboliza a pureza de alma.

O Sacramento de Confirmação (o Crisma) segue-se imediatamente após o Batismo.

413. Qual é o momento supremo no Santo Sacramento do Batismo?

É aquele em que o catecúmeno é imerso na água e em que se pronunciam as palavras: Em nome do Pai, Amém; e do Filho, Amém; e do Espírito Santo, Amém.

414. O que se exige daquele que requer o Santo Sacramento do Batismo?

Exige-se a penitência e a fé. Por esta razão, durante o Sagrado Ofício, que acompanha o Santo Sacramento do Batismo, pronuncia-se a "Profissão de Fé Ortodoxa:"

"E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;

Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe: a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar" (Atos Apostólicos 2:38-39).

"Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado" (Evangelho de São Marcos 16:16).

415. Se por parte daquele que requer o Santo Sacramento do Batismo, se exige a penitência e a fé, como é admissível que se batizem as criancinhas?

Batizam-se as criancinhas mediante a demonstração da penitência e da fé dos pais e também dos padrinhos. Estes comprometem-se a ensinar ao batizando as verdades da Santa Fé Ortodoxa, educando-o de acordo com os sagrados preceitos da Igreja.

Os adeptos de certas seitas heréticas afirmam que batizar uma criancinha é um ato desprovido de sentido, uma vez que a mesma não está ciente do que se passa com ela. Esta afirmação é altamente arbitrária, pois o mistério deste Santo Sacramento exerce efeito idêntico, com participação, ou sem participação direta do batizando.

Se nos apoiássemos no ponto de vista errôneo destes sectários, não se poderiam então batizar os selvagens da África ou os índios do Brasil, pois é evidente que uma vida inteira de ensinamentos religiosos não seria suficiente para iluminar as suas almas primitivas. Da mesma forma, não se poderia batizar uma pessoa moribunda, se ela não tivesse conhecimentos suficientes da sagrada fé cristã. Evidentemente este modo de raciocinar é um simples despropósito. Não devemos esquecer que o Santo Sacramento do Batismo é a condição principal para que a alma humana alcance a felicidade eterna nos céus de Deus. Não batizando uma criancinha, arriscaríamos que a mesma faleça antes de chegar à idade madura, assumindo, desta forma, uma terrível responsabilidade, privando essa alma da glória celestial.

Esta é a razão pela qual a Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa ordena que se efetue o Santo Sacramento do Batismo a uma criança recém-nascida.

416. Encontramos nos Livros Sagrados alguma prova de que se devem batizar os recém-nascidos?

Sim, encontramos diversos trechos sobre o ritual da circuncisão, que se efetuava no oitavo dia de vida da criança.

A lei nova, substituindo a lei antiga, fez com que também o ritual da circuncisão fosse substituído pelo Santo Sacramento do Batismo, permanecendo, todavia, o costume de efetuá-lo na mais tenra meninice.

417. Como podemos saber, que o Santo Sacramento do Batismo realmente substituiu o ritual da circuncisão?

Sabemo-lo pelas palavras de São Paulo apóstolo, proferidas a respeito do Santo Sacramento do Batismo:

"No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despir do corpo da carne, a saber, a circuncisão do Cristo"; "Sepultados com Ele no Batismo, nEle também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos" (Epístola aos Colossenses 2:11-12).

418. Como deve proceder uma pessoa adulta, desejosa de receber o Santo Sacramento do Batismo?

Deve:

    1. Conhecer perfeitamente a verdade da Santa Fé Ortodoxa;
    2. Demonstrar sincera e profunda penitência pelos seus pecados;
    3. Fazer uma declaração solene da "Profissão de Fé Ortodoxa" e as promessas regulamentares.

419. Quais são as promessas feitas durante o Santo Sacramento do Batismo?

Fazem-se as seguintes promessas:

    1. Declara-se a renúncia total e intransigente do espírito maligno, do seu orgulho e de todos os seus atos;
    2. Professa-se a fé profunda e inabalável em tudo que ensina a Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa;
    3. Declara-se o firme propósito de viver em conformidade com os santos mandamentos e os sagrados preceitos da Igreja.

420. Por que é preciso o neófito ser acompanhado pelos padrinhos?

Os padrinhos representam a garantia oferecida à Santa Igreja, de que o batizando será realmente educado em espírito cristão, sendo exercida sobre ele a benéfica influência espiritual. ("Da Hierarquia eclesiástica" São Dionísio Areopagita, cap. 2).

421. Quais são os deveres dos padrinhos de batismo?

O dever principal dos padrinhos de batismo em relação ao batizando é o extremo cuidado na sua educação espiritual, dentro do quadro dos ensinamentos da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, principalmente no caso de falecimento dos pais, ou então, quando estes não se interessam pela alimentação da alma do neófito.

Por esta razão, na escolha dos padrinhos não deve tanto ser levada em consideração à posição social ou a riqueza dos mesmos, mas deve-se cuidar que os padrinhos sejam pessoas de profunda vida religiosa e ortodoxa.

422. Após o Santo Sacramento do Batismo, os padrinhos tornam-se parentes do catecúmeno?

Os padrinhos não se tornam parentes sangüíneos do batizando, mas "adquirem um parentesco espiritual tanto em relação a ele, quanto com os pais e também entre si.

423. O batizando é obrigado a manter as promessas feitas pelos padrinhos?

Sim. O batizando é obrigado a manter as promessas feitas pelos padrinhos, em virtude de se referirem elas somente aos postulados essenciais para que se consiga a salvação eterna. Se o batizando estivesse em condições de fazê-lo pessoalmente, teria proferido estas promessas sem qualquer vacilação.

424. Por que se pronunciam exorcismos sobre o batizando?

Pronunciam-se a fim de afugentar Satanás, que, devido à queda de Adão, recebeu livre acesso ás almas humanas, tornando-as prisioneiras e escravas do mal. Diz São Paulo apóstolo, que todos os homens andam "Segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência" (Epístola aos Efésios 2:2).

425. Em que consiste à força do exorcismo?

Consiste na utilização do sagrado Nome de Jesus, acompanhado de oração e profunda fé. Nosso Senhor Jesus Cristo deu aos fiéis a seguinte promessa:

"E estes sinais seguirão os que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios" (Evangelho de São Marcos 16:17).

426. Qual é o significado das roupas brancas, que são vestidas no batizando após o Santo Sacramento do Batismo?

Estas roupas brancas significam que o batizando foi purificado de todos os pecados, adquirindo a pureza de alma necessária para a salvação eterna.

427. Por que dependuramos uma cruz no peito do batizando?

A fim de evidenciar e manter permanentemente acentuado o ensinamento de Nosso Senhor Jesus Cristo: "Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me" (Evangelho de São Mateus 16:24).

428. Que significam as três voltas dadas pelo sacerdote, o batizando e os padrinhos em redor da pia batismal empunhando círios acesos?

Significam a alegria espiritual e, ao mesmo tempo, a iluminação da alma.

As três voltas são justificadas pela glorificação da Santíssima Trindade.

429. Como devemos compreender a indicação, contida na "Profissão de Fé Ortodoxa," pela qual pode haver um só Batismo?

Devemos entender isto de tal forma, que o Santo Sacramento do Batismo não pode ser repetido.

430. Por que razão o Santo Sacramento do Batismo não pode ser repetido?

O Santo Sacramento do Batismo não pode ser repetido pela razão de ser ele um nascimento espiritual, e nascer só é possível uma única vez, tanto material quanto espiritualmente.

431. Como devemos considerar aqueles que continuam pecando após ter recebido o Santo Sacramento do Batismo?

Aqueles que continuam pecando, cometem iniqüidade muito superior aos que não foram batizados. Isto acontece em virtude de terem os batizandos adquirido no Santo Sacramento do Batismo forças especiais e superiores para a luta contra o mal, e, se as rejeitassem, se tornariam duplamente responsáveis pelo pecado cometido.

"Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro" (2 Epístola do santo apóstolo Pedro 2:20).

432. Aqueles que pecarem depois de ter recebido o Santo Sacramento do Batismo, podem ainda ter os pecados redimidos?

Sim. Pelo Santo Sacramento da Confissão (ou Penitência).

 

Sobre o Santo Sacramento

de Confirmação (ou Crisma).

433. Que é o Santo Sacramento de Confirmação (ou Crisma)?

É um Santo Sacramento pelo qual o crismando recebe os dons do Divino Espírito Santo, por meio da unção de diversas partes do corpo com os óleos santos.

434. Qual é o valor do Santo Sacramento de Confirmação (ou Crisma)?

É o seguinte:

    1. Aumenta o poder da Graça Santificadora.
    2. Imprime na alma o indestrutível sinal do "Guerreiro de Cristo," auxiliando o homem na luta contra o mal, em prol da fé verdadeira e da vida pura e justa.

435. Quais são os textos dos livros sagrados, que nos falam sobre este Santo Sacramento?

Da ação interna (espiritual) deste Santo Sacramento lemos os seguintes ensinamentos de São João Evangelista:

"E vós tendes a unção do santo, e sabeis tudo. Não vos escrevi porque não soubésseis a verdade, mas porque a sabeis, e porque nenhuma mentira vem da verdade. Quem é mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho. Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai; e aquele que confessa o Filho, tem também o Pai. Portanto o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai.

E esta é a promessa que Ele nos fez: a vida eterna. Estas coisas vos escrevi acerca dos que vos enganam.

E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis" (1 Epístola de São João Evangelista: 2:20,27).

São Paulo Apóstolo, por sua vez explica:

"mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus,

O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações (2 Epístola de São Paulo aos Coríntios: 1:21-22).

436. Quais são as ações externas do Santo Sacramento de Confirmação, mencionadas nas Sagradas Escrituras?

Nos primórdios do Cristianismo o Santo Sacramento de Confirmação fora ministrado por meio da imposição das mãos:

"Os Apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, ouvindo que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram lá Pedro e João. Os quais, tendo descido, oraram por eles batizados em nome do Senhor Jesus.

Então lhes impuseram as mãos, e receberam o Espírito Santo" (Atos Apostólicos 8:14- 17).

"E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus. E impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo" (Atos Apostólicos: 19:5- 6).

Os discípulos dos santos apóstolos e os Santos Pais da Igreja iniciaram a aplicação dos óleos em lugar da imposição das mãos, seguindo o molde da Unção Sagrada, praticando nos tempos da Lei Antiga. A imposição das mãos foi reservada exclusivamente para a consagração dos diáconos, sacerdotes e bispos:

"E disto farás o azeite da santa unção, o perfume composto segundo a obra do perfumista: Este será o azeite da santa unção" (Êxodo 30:25).

"E Zadok, o Sacerdote tomou o vaso de azeite do tabernáculo, e ungiu a Salomão" (1 livro dos Reis 1:39).

437. Todos os Cristãos Ortodoxos devem receber o Santo Sacramento de Confirmação?

Sim, devem receber obrigatoriamente o Santo Sacramento de Confirmação.

438. Em que idade deve o fiel da nossa Santa Igreja receber este Santo Sacramento?

A Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa confere ao fiel o Santo Sacramento de Confirmação logo após o Batismo. Por esta razão o Santo Sacramento do Batismo e o Santo Sacramento de Confirmação formam um só ofício religioso de nossa Igreja.

439. Quem tem o direito de ministrar o Santo Sacramento de Confirmação?

O Santo Sacramento de Confirmação pode ser ministrado por um sacerdote ou por um bispo.

440. Quais são os atos externos (visíveis) por meio dos quais o sacerdote ministra ao fiel o Santo Sacramento de Confirmação?

No ato de ministrar este Santo Sacramento ao fieli, O sacerdote unge com Santo óleo da Crisma a testa, os olhos, as narinas, a boca, os ouvidos, o peito, as mãos e os pés dele, fazendo pequenos sinais da santa cruz e pronunciando de cada vez os seguintes dizeres: "Selo do dom do Espírito Santo," respondendo os padrinhos: "Amém."

441. Que é o Santo óleo da Crisma?

O Santo óleo da Crisma, denominado também o Santo Mirro é uma composição de azeite de oliva com bálsamo e diversos aromas especialmente escolhidos. Durante um ofício religioso especial (de preferência uma vez por ano no decorrer da Semana Santa) recebe este óleo uma santificação especial, sendo abençoado por bispos, que, na qualidade de sucessores diretos dos santos apóstolos, conferem ao óleo o dom do Divino Espírito Santo, transformando-o em Sagrado óleo da Crisma.

442. Qual é o significado da unção da testa?

Significa a santificação e iluminação do pensamento.

443. Qual é o significado da unção dos olhos, das narinas, da boca e dos ouvidos?

Significa a santificação e iluminação dos sentidos.

444. Qual é o significado da unção do peito?

Significa a santificação e iluminação dos nossos sentimentos e desejos.

445. Qual é o significado da unção das mãos e dos pés?

Significa a santificação e iluminação de todos os atos e do comportamento do cristão Ortodoxo.

 

 

Sobre o Santo Sacramento da Eucaristia.

446. Que é o Santo Sacramento da Eucaristia?

É o verdadeiro corpo e o verdadeiro sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo sob forma visível do pão e do vinho.

447. Que é a Santa Comunhão?

É um ato sagrado de alimentação com o verdadeiro corpo e o verdadeiro sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, sob forma visível do pão e do vinho, no Santo Sacramento da Eucaristia.

448. Quais são as outras denominações do verdadeiro corpo e do verdadeiro sangue no Santo Sacramento da Eucaristia?

Denominamos também:

    1. Os Dons Sacrossantos;
    2. Os Santíssimos Mistérios;
    3. O Santíssimo Sacramento;
    4. A Santa Eucaristia;
    5. O Pão Celestial.

O verdadeiro corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo denominamos também "O Cordeiro," fazendo um paralelo com o Divino Salvador, que se ofereceu em holocausto no altar da salvação da humanidade.

449. Como e quando foi estabelecido o Santo Sacramento da Eucaristia?

Foi estabelecido pelo próprio Nosso Senhor Jesus Cristo no decorrer da última ceia, quando o Divino Salvador havia. Demonstrado antecipadamente aos santos apóstolos toda a indizível grandeza do seu martírio e da sua morte.

A última ceia deve ser, pois, considerada como a primeira Divina Liturgia (Santa Missa), no decorrer da qual o Divino Celebrante transinutou, Ele próprio, o pão e o vinho, em seu verdadeiro corpo e em seu verdadeiro sangue.

Em seguida realizou-se o primeiro ato sagrado da Santa Comunhão; Deus em Pessoa e sacerdote dos sacerdotes ministrou aos santos apóstolos o maior tesouro, que jamais havia surgido na terra o seu divino corpo e o seu divino sangue, ordenando-lhes de fazê-lo para todo o sempre em memória dEle, Jesus.

450. A quem conferiram os santos apóstolos o poder de transmutação do pão e do vinho em verdadeiro corpo e em verdadeiro sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo?

Dos santos apóstolos este poder passou aos bispos da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, e destes aos sacerdotes.

451. Por que Nosso Senhor Jesus Cristo estabeleceu este Santo Sacramento?

    1. A fim de ofertar-se a Si próprio em constante holocausto ao seu Pai Celestial no ato sagrado da Divina Liturgia;
    2. A fim de que sejam distribuídos entre nós os frutos sagrados do santo sacrifício da cruz;
    3. A fim de constituir um alimento permanente e sacrossanto para as nossas almas.

452. Como podemos saber, que Nosso Senhor Jesus Cristo se encontra permanentemente presente nos mistérios da Sagrada Eucaristia?

Sabemos disto:

    1. Dos ensinamentos do nosso Salvador:
    2. "Eu sou o pão da Vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desce do Céu, para que o que dele comer não morra. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre: e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo... Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim" (Evangelho de São João 6:48-57).

      No decorrer da última ceia, disse nosso Senhor Jesus Cristo aos santos apóstolos:

      "E tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-o aos discípulos, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente tomou o cálice, depois da Ceia, dizendo:" Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós" (Evangelho de São Lucas 22:19-20).

    3. Dos ensinamentos dos santos apóstolos:
    4. "Portanto qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado do corpo e. do sangue do Senhor" (1 Epístola de São Paulo Apóstolo aos Corintios 11:27). "Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é, porventura, a Comunhão do corpo de Cristo?" (l Epístola de São Paulo aos Coríntios 10:16).

    5. Da Sagrada Tradição da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa: São Justino, que viveu no século II, disse: "A nós nos fora ensinado, que este alimento abençoado é o corpo e o sangue do Filho de Deus encarnado."São Cirilo de Jerusalém, que viveu no século IV ensinou: "Aquilo que parece ser pão, na realidade não o é, apesar de que tenha o gosto do mesmo, mas sim é o corpo de Jesus Cristo; o que parece ser vinho, não o é também, embora tenha o seu gosto, sendo na realidade o sangue de Jesus Cristo.""Quem poderia ter dúvidas quanto ao fato de tratar-se do sangue dEle, se o próprio Senhor Jesus falou do vinho como sendo seu sangue? "Outrora foi Ele que havia transformado água em vinho. Poderíamos nós desacreditar, que também transformou vinho em sangue?."

453. Que devemos saber quanto à relação do Santo Sacramento da Eucaristia com os Santos Ofícios religiosos da nossa Igreja?

Devemos saber que o Santo Sacramento da Eucaristia constitui a parte principal e essencial dos Ofícios Religiosos da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa.

454. Como se denomina o ofício religioso, no decorrer do qual se processa o supremo mistério do Santo Sacramento da Eucaristia?

Denomina-se a Divina Liturgia ou a Santa Missa.

455. Qual é o significado da palavra "Liturgia?"

A palavra "Liturgia" é de origem grega e significa "Serviço religioso destinado à Comunidade."

Esta denominação é aplicada exclusivamente ao oficio religioso no decorrer do qual é celebrado o sagrado mistério da Eucaristia.

456. Qual é o significado do ofício religioso denominado "Divina Liturgia?"

A "Divina Liturgia" é um Santo Sacrifício do Novo Testamento no decorrer do qual o Nosso Salvador Jesus Cristo oferece-se ao Pai Celestial em holocausto não-sangrento e sim, sob a forma do pão e do vinho.

457. Que quer dizer o Sacrifício?

Quer dizer uma oferenda visível que dedicamos a Deus a fim de confirmar a nossa fé nEle.

458. Desde quando existe o costume de oferecer sacrifícios a Deus?

Desde os primórdios da humanidade existe este costume de oferecer sacrifícios a Deus. Já os filhos do primeiro homem Adão, Caim e Abel, faziam os sacrifícios. Durante a vigência da lei antiga, Deus ordenou repetidas vezes aos homens que não deixassem de oferecer-lhe os sacrifícios.

Estes sacrifícios cessaram, desde que a lei antiga foi substituída pela lei nova do Novo Testamento.

459. Qual é o sacrifício do Novo Testamento?

O sacrifício do Novo Testamento-é o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, que se ofereceu voluntariamente ao seu Pai Celestial, pelo supremo sacrifício da cruz. O supremo sacrifício da cruz está sendo renovado constantemente no mistério da Sagrada Eucaristia.

460. Em que consiste a diferença entre o supremo sacrifício da cruz e o Sagrado Sacrifício da Eucaristia?

Consiste no seguinte: Na cruz Nosso Senhor Jesus Cristo ofereceu-se a si próprio em holocausto sangrento, enquanto no mistério da Sagrada Eucaristia Ele se oferece constantemente num sacrifício não-sangrento.

461. Desde quando e quem celebra o Santo sacrifício da Eucaristia, e a quem está sendo oferecido?

O Santo Sacrifício da Eucaristia está sendo ininterruptamente celebrado na nossa Igreja desde os tempos dos santos apóstolos. Santo Hipólito, que viveu no limiar dos séculos II e III diz: "Diariamente oferece-se numa mesa mística o precioso corpo e o sangue do Senhor Jesus."

O Santo Sacramento da Eucaristia é celebrado por bispos e sacerdotes, similarmente como se processou na última ceia do Senhor.

Este Sacrifício Supremo oferece-se única e exclusivamente a Deus. Mesmo nos casos em que a Divina Liturgia está sendo celebrada em honra de algum santo, o Santo Sacrifício da Eucaristia continua a ser oferecido inalteradamente a Deus único em Santíssima Trindade.

462. Por que se oferece o Santo Sacrifício da Eucaristia?

    1. A fim de oferecer a Deus o glorioso sacrifício, isto é, apresentar-Lhe a devida homenagem e glorificação.
    2. A fim de oferecer a Deus o sacrifício de gratidão, isto é, agradecer-Lhe por todos os benefícios e todas as graças.
    3. A fim de oferecer a Deus o sacrifício de misericórdia para que Ele ouça as nossas súplicas, perdoando as nossas iniqüidades pelo poder da sua justiça.
    4. A fim de oferecer a Deus o sacrifício de súplica, isto é, implorar para nós e para os nossos semelhantes todos os bens do corpo e da alma.

463. Quem é o maior beneficiado nos frutos celestiais do Santo Sacramento da Eucaristia?

Os frutos celestiais do Santo Sacramento da Eucaristia beneficiam especialmente:

    1. O sacerdote, que celebra a Divina Liturgia.
    2. Aquele (ou aqueles), por cuja intenção a Santa Missa é oficiada.
    3. Aqueles que assistem à Santa Missa.

464. Porque se celebram também as Santas Missas em homenagem aos santos?

As Santas Missas celebram-se, também, em homenagem aos santos:

    1. A fim de agradecer a Deus todas as graças, proporcionadas por Ele a estes santos;
    2. A fim de conseguir a mediação dos santos em nosso favor perante o trono de Deus,

465. Onde deve ser celebrada a Divina Liturgia (ou Santa Missa)?

Deve ser oficiada única e exclusivamente num templo (ou capela), especialmente destinado para esse fim.O sagrado mistério da Eucaristia deve ser celebrado somente sobre uma mesa especial, abençoada pelo bispo, que se denomina o altar sagrado ou a santa mesa. Em casos especiais é permitido celebrar este supremo mistério numa mesa comum, porém sempre sobre um Antimensio (1 Antimensio Um lenço retangular com estampa, representando o sepultamento de Nosso Senhor Jesus Cristo, tendo no centro um Pequeno recipiente confeccionado no mesmo tecido com uma partícula das santas relíquias) (p. ex. numa Missa Campal, durante a guerra, ou em outras ocasiões de emergência).

466. Por que denominamos o templo cristão "A igreja?"

Porque nela se reúnem os fiéis da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa a fim de participarem dos ofícios religiosos e receberem os Santos Sacramentos.

467. Por que razão a mesa na qual se celebra a Divina Liturgia denomina-se a "Santa Mesa" ou o "Altar Sagrado?"

Explica-se pelo fato de ser este o lugar onde invisivelmente se encontra presente o Rei dos Reis, Nosso Senhor Jesus Cristo.

468. Quais são as partes principais da Divina Liturgia?

São as seguintes:

1) A "Proscomídia."

2) A Liturgia dos Catecúmenos.

3) A Liturgia dos Fiéis.

469. Qual é o significado do termo "Proscomídia," e por que razão a primeira parte da Divina Liturgia leva esta denominação?

"Proscomídia" é uma palavra grega e significa "Oferecimento."Os primeiros cristãos tinham o costume de oferecer à Igreja os pães e o vinho, destinados à Santa Missa; daí a denominação "Oferecimento" ou "Proscomidia."

470. Por que razão consideramos a "Proscomídia" parte integrante da Divina Liturgia?

Denomina-se "A Prosfora."Esta palavra também é grega e significa "Aquilo que se traz" (oferece), e possui a mesma explicação, no seu sentido básico, que já foi explicada no parágrafo anterior.

471. Por que razão consideramos a "Proscomídia" parte integrante da Divina Liturgia?

Porque no decorrer dela, o sacerdote prepara o pão (a Prosfora) e o vinho para o supremo sacrifício da Sagrada Eucaristia. Preparam-se cinco "Prosforas" ou uma só, porém dividida em cinco partes. De uma delas o sacerdote extrai a partícula denominada "O Cordeiro," que será a parte consagrada, transmutada em verdadeiro corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo. Outras servem para separar as partículas, em homenagem a nossa Senhora e sempre Virgem Maria, os santos e também os vivos e os mortos. Desta forma une-se em redor de Nosso Salvador toda a Sua Igreja, tanto terrena quanto celestial, num ato simbólico e místico.

Todas essas partículas são depositadas numa pequena bandeja dourada, apoiada num suporte, a fim de facilitar o seu manejo. Esta bandeja denomina-se "O Sagrado Disco."No decorrer da "Proscomídia," o sacerdote derrama também certa quantidade de vinho, misturado com água, dentro do sagrado cálice. Todos esses atos do sacerdote são acompanhados por orações pela Santa Igreja; os vivos e os mortos; a hierarquia eclesiástica; a pátria e os seus governantes; como também por todos aqueles que trouxerem as suas oferendas. Fora disto, o sacerdote glorifica os santos, pedindo-lhes ajuda e mediação perante o trono do Senhor.

472. Qual é o pão, utilizado no Santo Sacramento da Eucaristia?

O pão deve ser puro, de farinha de trigo e azedado, isto é, aquele que se exige para que seja mantida a santidade do Sacramento, conservando-se o exemplo oferecido pelo próprio Nosso Senhor Jesus Cristo e os seus apóstolos.

473. O que é afirmado pelo fato de todos os fiéis receberem a Sagrada Comunhão preparada de um só pão?

São Paulo Apóstolo nos dá a seguinte explicação:

"Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo: porque todos participamos do mesmo pão" (1 Epístola aos Coríntios 10:17).

474. Por que razão denominamos "O Cordeiro-a partícula da "Prosfora" destinada a ser consagrada?

Porque ela representa misticamente Nosso Senhor Jesus Cristo por ocasião dos seus padecimentos, tornando-se ao mesmo tempo a imagem transmutada do tímido e imaculado cordeiro de Deus, que se ofereceu voluntariamente em holocausto supremo para a salvação do gênero humano.

475. Qual é a origem da denominação "O Cordeiro de Deus?"

Sabemos do Antigo Testamento, que Deus ordenou aos hebreus o sacrifício anual de um cordeirinho, por ocasião dos festejos da Páscoa. Este sacrifício demonstrava o agradecimento a Deus, pela salvação do povo hebreu do cativeiro egípcio, sendo o protótipo do supremo sacrifício do nosso Salvador.

476. Por que se utiliza vinho misturado com água para o Santo Sacramento da Eucaristia?

Porque todas as ações do celebrante durante a Divina Liturgia representam uma reprodução fiel do martírio de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sabemos que do lado perfurado do Nosso Salvador, escorreu sangue e água, como se testemunha o Evangelho de São João, capítulo 19, vers. 34, e esta é a razão pela qual mistura-se o vinho com água, no ato de preparação para o Santo Sacramento da Eucaristia.

477. Por que a segunda parte da Divina Liturgia denomina-se "A Liturgia dos Catecúmenos"?

A segunda parte leva este nome, porque nos primórdios do Cristianismo, nesta parte da santa missa eram admitidos os "catecúmenos," isto é, aqueles que se preparavam para o Santo Sacramento do Batismo, sem, porém, fazer ainda parte integrante da Santa Igreja. Também os fiéis da Santa Igreja, que devido aos seus pecados foram proibidos de receber a Sagrada Comunhão, podiam, entretanto, assistir a esta parte da Divina Liturgia.

Ao término da mesma o diácono convidava os catecúmenos a abandonarem a igreja, sendo que estes últimos se retiravam para a parte externa da mesma denominada "Narsicos" (Solá da Igreja). Durante a "Liturgia dos Catecúmenos" a Santa Igreja prepara os fiéis para o digno recebimento da Sagrada Comunhão.

478. Como se inicia a "Liturgia dos Catecúmenos"?

Inicia-se com a glorificação do Reino da Santíssima Trindade.

479. De que se compõe esta parte da Divina Liturgia?

Nesta parte da Divina Liturgia entram:

    1. As orações.
    2. As Ectenias (Ver o parágrafo 412).
    3. Cânticos Sagrados.
    4. A leitura das Epístolas Apostólicas ou de Atos
    5. Apostólicos.
    6. A Leitura dos Sagrados Evangelhos.

480. Como termina esta parte da Divina Liturgia?

Termina, quando o diácono se dirige aos catecúmenos, convidando-os a abandonarem a igreja (*).

481. Por que a terceira e última parte da Divina Liturgia denomina-se "Liturgia dos Fieis"?

A terceira e última parte da "Divina Liturgia" denomina-se "Liturgia dos Fiéis," pela razão de ser esta a sua parte principal, permitindo-se assisti-la exclusivamente aos fiéis da Santa Igreja. Durante a Liturgia dos Fiéis "celebra-se o supremo mistério do Santo Sacramento da Eucaristia.

482. Quais são os momentos de maior importância na "Liturgia dos Fiéis"?

Um dos momentos de maior importância é aquele em que o sacerdote repete as palavras pronunciadas por Nosso Salvador no ato de constituir o Santo Sacramento da Eucaristia:

"Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. E tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; Porque isto é o meu sangue, o Sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados" (Evangelho de São Mateus 26:26-28).

O momento, porém, de importância suprema é aquele em que o sacerdote pronuncia as palavras consagradoras, que pelo poder do Divino Espírito Santo, transmutam o pão e o vinho em verdadeiro corpo e verdadeiro sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

483. Qual é o momento preciso, em que o pão e o vinho são transmutados em verdadeiro corpo e verdadeiro sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo?

Enquanto o coro entoa o belíssimo cântico sagrado, que se inicia com os dizeres: "A Ti cantamos, a Ti agradecemos, a Ti abençoamos," no santuário processa-se o maior dos mistérios da Santa Igreja. O sacerdote abençoa separadamente o pão e o vinho. Em seguida pronuncia as palavras consagradoras em voz baixa inclinando-se sobre os Santos Dons (Santos Dons denominação do pão e do vinho a serem transmutados em verdadeiro corpo e verdadeiro sangue de N. S. Jesus Cristo).

484. Por que este momento é considerado o principal?

Porque este é o momento supremo da Divina Liturgia, e precisamente aquele em que e o pão e o vinho se transformam milagrosamente em verdadeiro corpo e verdadeiro sangue de nosso Senhor Jesus Cristo.

485. Como devemos entender o significado do temo "Transmutação"?

A palavra "Transmutação" encontra a sua explicação na obra intitulada: "A Descrição da Sagrada Fé Ortodoxa," de autoria dos Patriarcas Orientais. Neste livro lemos que não podemos aplicar a palavra "Transmutação" prio processo místico de transformação do pão e do vinho em verdadeiro corpo e verdadeiro sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo simples razão de que não existe termo adequado no vocabulário humano, que possa corresponder a uma descrição de mistério tão elevado e sobrenatural.

Da mesma forma a compreensão humana não está apta a conceber toda sua plenitude. Dizendo, pois, que se processa uma "Transmutação," apresentamos unicamente: uma fraca e imper-

(*) É mister anotar que as Santas Igrejas Ortodoxas do Oriente, inclusive a nossa Santa Igreja Ortodoxa do Patriarcado de Antioquia, resolveram suprimir a segunda parte da santa missa, isto é, a "Liturgia dos Catecúmenos." Esta resolução foi tomada após prolongados e concienciosos estudos, levados a efeito por grandes luminares da nossa Sagrada Fé.

A inexistência de catecúmenos na vida contemporânea, motivada pelo fato de ser comumente aceito o batismo na mais tenra idade, tornou inevitável a eliminação de um trecho da Divina Liturgia, que por esta mesma razão ficou privado do seu sentido original. Desta forma dividimos atualmente a santa missa em duas partes, a saber: 1 parte: "A Proscomidia e 2 parte: "A Liturgia dos Fiéis."

feita descrição do inconcebível milagre que surge ante os nossos olhos no Santo Sacramento da Eucaristia. São João Damasceno escreve sobre os sagrados e puríssimos mistérios de Cristo nos seguintes termos:

"O corpo que teve princípio pela Santíssima Virgem Maria, é realmente unido com a Divindade. Todavia, o corpo que subiu aos céus, não desce novamente, mas sim o pão e o vinho transmutam-se em corpo e sangue de Deus. Se, porém, procurares pesquisar como isto acontece, convém lembrar-te, que tal se dá pelo poder do Espírito Santo. Do mesmo modo, o Senhor havia construído o seu corpo de nossa Senhora, a Mãe de Deus e do Espírito Santo. Não sei mais nada, a não ser que o Verbo Divino é verdadeiro, real e todo-poderoso, a causa, porém, impossível de pesquisar Deus "(Livro 4, cap. 13, verso 7).

486. Como devemos proceder no decorrer da "Transmutação dos Santos Dons?."

Devemos acender em nós a chama de uma comoção extrema, adorando Nosso Senhor Jesus Cristo sob a forma do pão e do vinho, orando calorosamente e implorando a misericórdia de Deus pelos nossos pecados.

No decorrer da "Transmutação" dos Santos Dons, devemos obrigatoriamente permanecer ajoelhados. (Neste ínterim o coro canta: "A Ti cantamos").

487. Que homenagem e adoração é devida em relação aos sagrados mistérios da Eucaristia?

Aos sagrados mistérios da Eucaristia, isto é, ao Santíssimo Sacramento é devida à suprema adoração e mais elevada homenagem.

Uma beatitude sublime e um profundo temor de Deus devem caracterizar o nosso comportamento, quando estivermos na presença dos Sagrados Dons (da Sagrada Eucaristia).

488. Sob que forma recebemos a Sagrada Comunhão?

Tanto o sacerdote celebrante, quanto os fiéis, recebem a Sagrada Comunhão sob a forma do pão e do vinho.

489. Temos o dever de receber a Sagrada Comunhão?

Todo cristão Ortodoxo é obrigado a receber a Sagrada Comunhão, visto ter Nosso Senhor Jesus Cristo ensinado que este santo sacramento representa para nós o alimento da alma, que leva à vida eterna:

"Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos" (Evangelho de São João 6:53).

490. Com que idade deve o cristão Ortodoxo iniciar a sua participação no Santo Sacramento da Eucaristia?

A Sagrada Comunhão é ministrada aos Cristãos Ortodoxos desde a mais tenra idade. Depois de batizada, a criança deve ser levada com freqüência à igreja a fim de receber o Santo, Sacramento da Eucaristia. A responsabilidade disto pesa sobre os pais da criança ou os padrinhos do batismo. Convém assinalar, que até a idade de 7 anos a criança comunga sem que participe antes do Santo Sacramento da Confissão. Após ter completado 7 anos deve-se prepará-la com todo empenho para que saiba confessar bem e sinceramente todos os erros cometidos.

491. Que se exige de toda pessoa que deseja receber a Sagrada Comunhão?

Exige-se:

    1. Um aprofundado exame de consciência;
    2. Purificar a consciência, lamentando sinceramente as iniqüidades cometidas e apresentando uma penitência, apoiada na oração e no jejum: "Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice" (1 Epístola de São Paulo aos Coríntios 11:28).

492. Qual é o efeito sobre nós da Sagrada Comunhão?

São as seguintes as Graças, que nos proporciona a Sagrada Comunhão:

    1. Une-nos estreitamente com Nosso Senhor Jesus Cristo, tornando-nos participantes da vida e felicidade eternas, e proporcionando-nos as sementes da sagrada ceifa da ressurreição. "Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele" (Evangelho de São João 6:56). "Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia" (Evangelho de São João 6:54).
    2. Diminui a intensidade das nossas inclinações maléficas e purifica-nos dos pecados.
    3. Amplia o nosso amor a Deus e multiplica a Graça Santificadora.

493. Com que freqüência devemos participar do Santo Sacramento da Eucaristia?

Os primeiros cristãos participavam do Santo Sacramento da Eucaristia todos os domingos. Todavia, nos tempos atuais, há poucos que possam fazê-lo devido à extrema agitação da vida e preocupações cotidianas, que, forçosamente afastam os homens dos santuários da nossa Mãe-Igreja.

A Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa ordena a todos os seus adeptos que participem da Sagrada Comunhão, pelo menos quatro vezes ao ano, e nos casos especiais, quando isto se tornar impraticável, por qualquer razão importante, no mínimo uma vez por ano no decorrer da Semana Santa ("Profissão da Ortodoxia," capítulo 1, pergunta 90).

É também imprescindível, que um fiel da Santa Igreja receba o Santo Sacramento da Eucaristia na hora da morte, como um supremo alimento destinado a reforçar as suas forçais espirituais no caminho da eternidade.

494. Que se deve fazer, a fim de merecer as graças conferidas pelo Santo Sacramento da Eucaristia?

Deve-se proceder a uma profunda e conscienciosa preparação tanto do ponto de vista espiritual, quanto material, isto é, deve-se receber a Sagrada Comunhão em estado de pureza tanto do corpo quanto da alma.

495. Como devemos preparar a nossa alma, para receber condignamente o Santíssimo Sacramento?

Da seguinte forma:

    1. Purificá-la pela sincera e completa confissão.
    2. Erguê-la pela calorosa e sublime oração.

A pessoa que pretende participar do Santo Sacramento da Eucaristia deve tomar parte no ofício religioso que se realizará na véspera à noite a fim de preparar-se convenientemente para o recebimento da Sagrada Comunhão no decorrer da Divina Liturgia, na manhã seguinte.

Fora disto, a Santa Igreja recomenda um conjunto de orações especiais denominado "Orações Preparatórias para o Santo Sacramento da Eucaristia" ("Orações Preparatórias para o Santo Sacramento da Eucaristia." Este conjunto de orações fará parte do próximo volume da "Coleção Fênix" intitulado: "O Santo Ofício da Missa"), que constituem um verdadeiro tesouro de beleza espiritual, auxiliando sobremaneira a purificação da alma.

496. Que pecado comete a pessoa que, apesar de permanecer em pecado mortal, participa do Santo Sacramento da Eucaristia?

A pessoa que procede desta maneira comete um indizível pecado:

"Porque o que come e bebe indignamente, come e Bebe para a sua própria condenação, não discernindo o Corpo do Senhor "(1 Epístola de São Paulo aos Coríntios 11:29)."

497. Como devemos preparar o nosso corpo, para receber condignamente o Santíssimo Sacramento?

Da seguinte maneira:

    1. Na véspera do dia em que pretendemos receber a. Sagrada Comunhão observarmos certa abstinência na alimentação. Se quisermos comungar no decorrer da Semana Santa, devemos prolongar esta abstinência por alguns dias.
    2. Apresentar-nos para o Santo Sacramento da Eucaristia em jejum, isto é, não receber nenhum alimento, nem mesmo uma gota d'água. A única exceção a fazer é para os que sofrem de gravíssimas doenças e os lactentes.
    3. Lavar-nos com muito empenho, vestindo roupas adequadas, asseadas e de preferência festivas.

498. Como devemos proceder no ato de recebimento da Sagrada Comunhão?

No ato de receber a Sagrada Comunhão devemos proceder da seguinte forma:

    1. Enquanto o coro entoa "A Ti cantamos, a Ti agradecemos," devemos dedicar-nos a uma sublime oração, acompanhada de sincera mágoa por todos os nossos atos, que possam entristecer Nosso Senhor Jesus Cristo. Para tornar esta oração mais calorosa, podemos ajoelhar-nos perante as imagens santas (Íconas) suplicando a ajuda daqueles bem-aventurados e santos, que se encontram na luz permanente e eterna do Pai Celestial. Demonstramos a nossa humildade e insignificância perante a inimaginável grandeza de Deus, inclinando as nossas cabeças até ao chão, costume este que data dos tempos imemoriais.
    2. Pouco antes do fim do maravilhoso cântico sagrado, que mencionamos acima, devemos levantar-nos e aproximar-nos do lugar situado logo à frente das Portas Régias, aguardando piedosamente a abertura das mesmas e o aparecimento do sacerdote com os Santos Dons.
    3. Quando surgir o sacerdote empunhando o sagrado cálice, devemos fazer uma profunda inclinação até ao chão, rendendo a nossa sincera homenagem ao Rei dos Reis, misteriosamente presente na Sagrada Eucaristia. Em seguida levantamo-nos e cruzando os braços no peito, aproximamo-nos para receber a Sagrada Comunhão.
    4. Repetirmos com empenho e calor espiritual as palavras introdutivas, que o sacerdote pronuncia, antes de ministrar-nos o Sagrado Corpo e o Sagrado Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.
    5. Em seguida, recebermos com temor de Deus os Santos Dons.

499. Como devemos proceder no momento do recebimento dos Santos Dons?

Da seguinte maneira:

    1. Postar-nos com calma, humildemente e com temor de Deus ante o sagrado cálice com o Santíssimo Sacramento;
    2. Cruzar os braços no peito;
    3. Segurar a cabeça erguida de tal forma, a fim de que a boca fique na altura da borda do sagrado cálice;
    4. Abrir a boca de maneira normal, não pondo a língua para fora, aguardando, sem fazer movimento algum, que o sacerdote nos dê a Sagrada Comunhão;
    5. Quando o sacerdote tiver introduzido na boca a colher com os Santos Dons, não devemos segurá-la com os dentes, mas sim, recebê-la com vagar e cuidado apertando-a com os lábios, e consumindo imediatamente o sagrado corpo e o sagrado sangue de nosso Salvador.
    6. Não mover a cabeça ou as mãos, esperar até que o diácono ou o sacerdote enxugue os lábios com um lenço especialmente destinado para este fim.
    7. Depositar um beijo na parte inferior (a base) do sagrado cálice.
    8. Afastar-nos com vagar, sem mover os braços cruzados no peito (A proibição de mover os braços, conservando-os cruzados no peito, é motivada pela necessidade de evitar o perigo de empurrão involuntário, que poderia causar o derramamento do preciosíssimo sangue de N. S. Jesus Cristo).
    9. Aproximar-nos do servidor da Santa Igreja, que nos oferecerá um pequeno recipiente contendo vinho misturado com água e uma partícula de "Antidoro" (Antidoro Partículas de Pão, que sobraram após a Proscomídia. Este pão não é consagrado). Devemos tomar-um pouco desta mistura de vinho com água e comer o "Antidoro," a fim de evitar que alguma partícula do Santíssimo Sacramento fique depositada em alguma parte da boca.
    10. Lembrar-nos que ante o sagrado cálice não se deve inclinar, nem tão pouco fazer o sinal da cruz, a fim de evitar qualquer movimento brusco, que possa causar um desequilíbrio no sagrado cálice, empunhado pelo sacerdote.

500. Que devemos fazer logo após termos recebido a Sagrada Comunhão?

Devemos:

    1. Não nos ajoelhar demonstrando assim a imensa alegria espiritual causada pelo fato de nos termos unido com nosso Senhor Jesus Cristo no Santo Sacramento da Eucaristia.
    2. Agradecer ao nosso Salvador, porque se dignou receber-nos na sua ceia celestial.
    3. Pedir calorosamente a Deus, que nos conserve para sempre no estado de pureza e santidade.
    4. Recitar ou acompanhar a recitação das orações apropriadas, que se denominam "Ação de graças após o Santo Sacramento da Eucaristia" ("Ação de graças após o Santo Sacramento da Eucaristia." Este conjunto de orações fará parte do próximo volume da "Coleção Fênix, intitulado:" O Santo Oficio da Missa ")."

501. Como devemos passar o dia em que recebermos a Sagrada Comunhão?

Devemos passá-lo em profunda concentração de espírito e seriedade devida a tão santificado acontecimento. Nesse dia não devemos dedicar-nos aos divertimentos mundanos e outras distrações semelhantes. A leitura de obras religiosas é muito indicada nestas ocasiões. À noite devemos fazer, o possível para novamente ir à igreja, a fim de que a graça divina se conserve dentro das nossas almas.

502. Com que freqüência devemos assistir à Divina Liturgia?

Devemos assistir à Divina Liturgia todos os domingos e todos os feriados, obrigatoriamente, se não quisermos incorrer num grave pecado. Devemos lembrar-nos, que a Divina Liturgia concentra em si a imensidão do amor divino e representa uma fonte inesgotável de benefícios para as almas humanas. Por isto quanto mais freqüente será a nossa participação nela, tanto mais possibilidades se abrirão para a nossa salvação.

503. Qual é a participação na Divina Liturgia, daqueles que não comungam, e sim só assistem ao próprio ofício religioso?

Aqueles que só participam da Divina Liturgia, sem, no entanto, tomar parte no Santo Sacramento da Eucaristia devem oferecer o quinhão de sua fé e de sua oração, seguindo ensinamento de Nosso Senhor Jesus Cristo, que ordenou a eterna repetição da última ceia, com participação de todos os fiéis da Santa Igreja.

504. Que se comemora por ocasião do "Pequeno Ingresso isto é, quando o sacerdote conduz a procissão com o livro dos Santos Evangelhos?

O "Pequeno Ingresso-relembra a saída de Nosso Senhor Jesus Cristo para a pregação do Evangelho do Reino dos Céus.

Por esta razão, também, devemos ouvir a leitura do Santo Evangelho com a maior atenção e respeito, da mesma forma como se ouvíssemos o próprio Salvador.

505. Que se comemora por ocasião do "Grande Ingresso," isto é, quando o sacerdote conduz a procissão com os Santos Dons, transportando-os da mesa de sacrifícios ao altar sagrado?

O "Grande Ingresso" relembra a saída de Nosso Senhor Jesus Cristo para os voluntários padecimentos e o supremo martírio.

Na verdade o Rei dos Reis, como um cordeirinho humilde, foi conduzido para o sacrifício, apesar de que, se o quisesse, as legiões inteiras dos santos anjos se empenhariam em libertá-Lo. "O Rei dos Reinantes e o Senhor dos Governantes vem para ser sacrificado" (Cântico Sagrado do Sábado Santo antes da Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo).

506. Que se comemora durante a Consagração do Santíssimo Sacramento, e quando ministra o sacerdote a si próprio a Sagrada Comunhão?

Comemora-se a última Ceia de Nosso Senhor Jesus Cristo com os santos apóstolos, a sua morte e o seu sepultamento.

507. Que se comemora por ocasião da abertura das Portas Régias, afastamento do véu e o primeiro aparecimento do Santíssimo Sacramento aos olhos dos fiéis?

Comemora-se o aparecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo às santas mulheres e aos santos apóstolos, após a ressurreição.

Neste momento devem os fiéis, não nos domingos, inclinar as suas testas até ao chão, prestando profunda veneração ao vencedor da morte e do inferno.

508. Que se comemora por ocasião do último aparecimento do Santíssimo Sacramento, ante os olhos dos fiéis! Quando o sacerdote concede a bênção erguendo-o à vista de todos?

Comemora-se então a ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo aos céus.

Neste momento devem todos os fiéis (com exceção daqueles que participaram do Santo Sacramento da Eucaristia), não nos domingos, novamente inclinar-se até ao chão, como fizeram os santos apóstolos, assistindo à ascensão do Salvador dos homens.

Aqueles que desejam despedir-se simbolicamente da suprema santidade da Sagrada Eucaristia podem aproximar-se o suficiente para que o sacerdote possa tocar com o sagrado cálice as suas cabeças.

509. Quanto tempo existirá na Santa Igreja Ortodoxa o costume de receber a Sagrada Comunhão?

Indubitavelmente este costume permanecerá na nossa Santa Igreja Ortodoxa para todo o sempre, até a nova chegada do nosso Salvador. Diz o santo apóstolo Paulo:

"Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha" (1 Epístola aos Coríntios 11:26).

 

Sobre o Santo Sacramento

da Confissão (ou Penitência).

510. Que é o Santo Sacramento da Confissão (ou Penitência)?

O Santo Sacramento da Confissão é um santo sacramento no qual o pecador recebe invisivelmente o perdão dos seus pecados, após ter confessado sinceramente todas as suas iniqüidades. O perdão dos pecados é concedido de um modo visível pelo sacerdote no ato do pronunciamento das respectivas palavras sagradas.

511. Quais são as origens deste Santo Sacramento?

Sobre as origens do Santo Sacramento da Confissão devemos saber o seguinte:

    1. Os contemporâneos de São João Batista procuravam a remissão dos pecados no ato do banho batismal no rio Jordão:
    2. "Apareceu João batizando no deserto, e pregando o batismo de arrependimento, para remissão dos pecados. E toda a província da Judéia e os de Jerusalém iam ter com ele, e todos eram batizados por ele no rio Jordão, confessando os pecados" (Evangelho de São Marcos 14:5). Podemos, pois, considerar estes eventos, como sendo a forma primitiva do Santo Sacramento da Confissão.

    3. Nosso Senhor Jesus Cristo deu aos apóstolos o poder de perdoar os pecados:
    4. "Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu" (Evangelho de São Mateus 18:18).

    5. Este poder foi definitivamente confirmado após a ressurreição quando Nosso Senhor Jesus Cristo: "Assoprou sobre eles (os apóstolos) e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e aqueles a quem os retiverdes lhes são retidos" (Evangelho de São João 20:22-23).
    6. Os primeiros cristãos haviam constantemente praticado a confissão dos pecados:

"E muitos dos que tinham crido vinham confessando e publicando os seus feitos" (Atos Apostólicos 19:18).

512. Quem herdou dos santos apóstolos o poder de perdoar os pecados?

Dos santos apóstolos, o poder de perdoar os pecados passou aos bispos e sacerdotes da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa.

513. O Santo Sacramento da Confissão é imprescindível para a salvação?

Sim, é absolutamente imprescindível para a salvação das nossas almas, pois, ao lado do Santo Sacramento do Batismo, ele representa o único meio pelo qual a remissão dos pecados fica possibilitada aos fiéis.

514. Como denominamos o membro do clero Ortodoxo, que procede na nossa Confissão?

Denomina-se "O Confessor."

515. Como se denomina a pessoa que se apresenta para o Santo Sacramento da Confissão?

Denomina-se "O Penitente."

516. Quais são as exigências impostas ao penitente para a condigna participação no Santo Sacramento da Confissão?

Deve o Penitente:

    1. Efetuar um exame cauteloso e sincero de sua consciência;
    2. Sentir um profundo pesar pelos pecados cometidos;
    3. Estar com firme propósito de corrigir as suas iniqüidades e não voltar a cometê-las;
    4. Possuir a fé viva em Nosso Senhor Jesus Cristo e na Sua misericórdia.

"A tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação" (2 Epístola de São Paulo apóstolo aos Coríntios 710). "E convertendo-se o ímplo da sua impiedade, e fazendo juízo e justiça, ele viverá por isto mesmo" (Ezequiel 33:19). "A Este (N. S. Jesus Cristo) dão testemunho todos os Profetas, de que todos o que nEle crêem receberão o perdão dos pecados pelo Seu Nome" (Atos Apostólicos 10:43).

517. Que quer dizer: efetuar um exame de consciência?

Quer dizer, relembrar todos os pecados cometidos e que pesam sobre a nossa consciência, obscurecendo a pureza da alma.

518. Como devemos fazer o exame de consciência?

Devemos fazê-lo do seguinte modo:

    1. Lembrar-nos, quando da última vez que nos confessamos, se naquela ocasião fizemos todas as penitências que nos foram indicadas pelo confessor.
    2. Lembrar-nos dos Dez Mandamentos da lei de Deus, das Nove Bem-aventuranças, dos Sete Pecados Mortais, como também das Determinações da Santa Igreja, a fim de ter uma noção nítida e completa da possibilidade de havermos ofendido a Deus em ação, palavra ou pensamento.
    3. Passar em memória todos os acontecimentos principais da nossa vida, a fim de verificar, se não fomos causa direta ou indireta de um pecado alheio.
    4. Ter a noção exata dos pecados cometidos e da freqüência dos mesmos.

519. Sobre que espaço de tempo devemos fazer o exame de consciência?

Sobre o espaço de tempo que nos separa da última Confissão.

Devemos, entretanto, procurar lembrar, se acaso não esquecemos de alguma iniqüidade, que não foi revelada na confissão anterior. Se assim é, devemos incontinenti confessá-la.

520. A distração no ato de ser feito o exame de consciência é um pecado?

Sim, é um pecado, especialmente quando esquecemos por distração algum dos pecados mortais, que posteriormente deixa de ser perdoado no Santo Sacramento da Confissão. Neste caso o penitente recebe o Santíssimo Sacramento com a alma obscurecida pelo pecado, que é a máxima ofensa imaginável em relação a Nosso Senhor Jesus Cristo.

521. Que significam os dizeres: "Fazer penitência?"

Fazer penitência, quer dizer, ficar penalizado pelos pecados cometidos.

522. Que quer dizer: Ficar penalizado pelos pecados cometidos?

Quer dizer, sentir na alma uma mágoa profunda por haver transgredido os Mandamentos de Deus. Ficar penalizado pelos pecados cometidos é a condição essencial para que eles possam ser perdoados. "O sacrifício para Deus é o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus" (Salmo 51:17).

523. O que deve acompanhar o ato de penitência?

Com a penitência deve unir-se a firme decisão de corrigir as faltas.

525. Que é a Confissão?

É a declaração sincera dos pecados perante um sacerdote Ortodoxo, destinada a obter dele a remissão (o perdão).

526. Como deve ser a Confissão?

Deve ser:

    1. Sincera, isto é, devemos declarar ao sacerdote tudo aquilo que nos pesa na alma, sem esconder, nem, diminuir o que quer que seja.
    2. Integral, isto é, devemos declarar ao sacerdote todos os pecados cometidos, mencionando a freqüência dos mesmos e as circunstancias em que aconteceram.

527. Que deve saber aquele que receia, ou se envergonha de confessar sinceramente todos os pecados cometidos?

Deve saber que:

    1. Não receava, nem se envergonhava por ocasião de cometer o pecado contra Deus, que tudo vê e é onipresente.
    2. É preferível confessar os pecados secretamente a um sacerdote, a continuar a viver e talvez chegar a morrer repentinamente com este terrível fardo, acabando por receber no último juízo de Nosso Senhor Jesus Cristo como justo castigo à eterna condenação.
    3. O Confessor não poderá nunca e sob hipótese alguma confiar a quem quer que seja o pecado do penitente, por menor e mais insignificante que ele seja, obedecendo às leis da Santa Igreja, que determinam os mais pesados castigos ao sacerdote que, porventura, transgrida esta ordem. Contudo, desconhece-se um só caso sequer, desta natureza, no decorrer dos quase 20 séculos da história da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa.

528. É considerada válida a Confissão na qual um ou mais pecados não foram declarados propositalmente?

Se o pecado não foi declarado propositalmente, por razão de um falso sentimento de vergonha ou por receio infundado:

    1. A Confissão não é valida;
    2. O próprio pecado não declarado redobra a sua nefasta importância.
    3. Ao pecado não declarado junta-se ainda o pecado de sacrilégio.

529. Que deve fazer aquele que propositalmente não declarou um pecado seu durante a Confissão?

Aquele que procedeu desta maneira deve:

    1. Incontinenti solicitar uma nova confissão;
    2. Declarar ao sacerdote em quantas confissões deixou de confessar o pecado oculto;
    3. Confessar se neste estado de sacrilégio, não havia participado de outros Santos Sacramentos.

530. Como deve proceder aquele que não declarou por esquecimento ou distração um pecado seu durante a

Confissão?

Deve confessar o pecado esquecido na próxima Confissão.

531. Quantas vezes ao ano devemos confessar-nos?

Devemos confessar-nos pelo menos uma vez ao ano, na Semana Santa ou no período da Grande Quaresma, que precede os festejos da Páscoa. De qualquer maneira, devemos confessar-nos sempre antes de receber o Santo Sacramento da Eucaristia. Fora disto devemos confessar-nos sempre quando nos encontramos diante de algum perigo ou dele estamos ameaçados. A nossa Santa Mãe-Igreja convoca os seus fiéis à confissão no decorrer de todos os quatro jejuns, isto é:

    1. Durante o grande jejum (ou Quaresma).
    2. Durante o jejum de São Pedro.
    3. Durante o jejum que antecede a Assunção de nossa Senhora.
    4. Durante o jejum do Natal,

Como também em todas as ocasiões nas quais a nossa alma deseja uma purificação, especialmente quando se sabe termos incorrido num pecado mortal. As palavras sagradas de Nosso Senhor indicam o caminho certo:

"Tem bom animo, filho, a tua fé te salvou" (Evangelho de São Lucas 8:48).

Tem bom animo, filho, estão perdoados os teus pecados.

"Estas palavras são dirigidas a todos nós, quando recebemos condignamente o Santo Sacramento da Confissão.

Devemos lembrar-nos, que o Santo Sacramento da Confissão afirma a Graça Santificadora nas nossas almas, proporcionando a pureza e subtilidade à nossa consciência.

532. Como se processa o Santo Sacramento da Confissão (ou Penitência?).

Processa-se da seguinte maneira:

    1. O penitente ouve atentamente e acompanha as orações que antecedem a Confissão.
    2. O penitente ajoelha-se e faz a profunda inclinação, demonstrando a humildade perante o Deus Todo-poderoso.
    3. O penitente aproxima-se ao "Analogion" (Analogion alta mesinha, revestida inteiramente com tecido e com tampo inclinado, semelhante a um púlpito). Sobre o qual se encontram o livro dos Santos Evangelhos e a santa cruz. Fazendo o sinal da cruz, o penitente beija o livro dos Santos Evangelhos e a santa cruz, inclinando em seguida a cabeça.
    4. O sacerdote recobre a cabeça do penitente com o "Epitraquilion (Epitraquilion largo cinto, que o sacerdote tem sobre, os ombros, unido na frente, e formando um estreito avental. Este é o cinto símbolo da autoridade sacerdotal e data dos primeiros tempos do Cristianismo), começando neste momento a Confissão.
    5. O penitente declara ao sacerdote, se na ocasião da última confissão havia cumprido a penitência, que lhe fora indicada pelo Confessor, e em seguida, confessa todos os seus pecados.
    6. Ouve atenciosamente todos os ensinamentos e indicações do confessor.
    7. Diz ao confessor o seu nome (Não sobrenome, mas sim o nome do batismo) e aguarda, com a cabeça sempre inclinada sob o "Epitraquilion," até que o sacerdote pronuncie as palavras sagradas, que livram o penitente dos pecados, retirando em seguida o "Epitraquilion."
    8. Em seguida, o penitente beija a santa cruz e o livro dos Santos Evangelhos e unindo as mãos em forma de concha solicita que o confessor lhe dê a bênção. Convém notar, que se deve sempre beijar a mão do sacerdote, após o recebimento da bênção.
    9. O penitente retira-se agradecendo a Deus pela graça recebida e guardando na memória todas as penitências impostas pelo confessor e destinadas a sanar a mínima parcela da sua dívida com Deus.

533. Quais são os meios auxiliares e preparatórios para o Santo Sacramento da Confissão?

São: a oração e o jejum.

534. Que é a penitência?

Penitência são todos aqueles meios e exercícios espirituais, destinados à purificação e satisfação da consciência do pecador penitente. Cumprir a penitência significa executar tudo que foi determinado pelo confessor.

535. Quais são as penitências comumente impostas pelo confessor?

O sacerdote impõe ao penitente diversos exercícios espirituais, que auxiliam na eliminação do pecado e na vitória sobre as tendências pecaminosas. Aplicam-se comumente as seguintes penitências:

    1. Orações mais ou menos prolongadas;
    2. Repetidas inclinações até ao chão;
    3. Jejuns especiais;
    4. Distribuição de esmolas e contribuição para enfermos e necessitados, etc.

Caso os pecados sejam de extrema gravidade, é admissível que o sacerdote confessor proíba ao penitente o recebimento dos Santos Sacramentos e principalmente do Santo Sacramento da Eucaristia, por um determinado espaço de tempo. Todas estas penitências são indicadas no livro de "Nomocanon," que é o livro das regras da Santa Igreja. (Ver parágrafo 390).

536. Como se deve cumprir a penitência?

Deve ser cumprida com o máximo empenho e logo ao ser indicada pelo confessor.

537. É válida a Confissão, se a penitência não for cumprida?

A Confissão é válida, se os pecados forem perdoados pelo confessor. Todavia, se o penitente deixa de cumprir a penitência indicada pelo confessor, comete pecado, que deve ser confessado na próxima vez, quando participar do Santo Sacramento da Confissão.

538. Junto com o perdão dos pecados, concedidos no Santo Sacramento da Confissão, é eliminado também o castigo, ao qual eles estariam sujeitos?

Se o penitente confessou condignamente e com verdadeiro pesar os pecados cometidos, fica eliminado totalmente o castigo na vida eterna.

Nem sempre, entretanto, Deus deixa de castigar nesta vida terrena:

"E disse Nathan a Davi: Também o Senhor transpassou o teu pecado; não morrerás. Todavia, porquanto com este feito deste lugar sobremaneira a que os inimigos do Senhor blasfemem, também o filho que te nasceu certamente morrerá" (2 Livro de Samuel: 12:13-14).

539. Todos os pecados podem ser perdoados?

Sim. Todos os pecados, mesmo os mais terríveis, podem ser perdoados, quando o penitente demonstra uma sincera e profunda mágoa por tê-los cometido.

Existe, porém, uma exceção, quando o pecado não pode ser perdoado nem nesta vida terrena nem na vida eterna.

Este mais terrífico de todos os pecados é a blasfêmia contra o Divino Espírito Santo:

"Portanto Eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens. E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser, lhe-á perdoado, mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado nem neste século nem no futuro" (Evangelho de São Mateus 12:31-32).

 

Sobre o santo Sacramento da Ordem.

540. Que é a Ordem?

A Ordem é o Santo Sacramento em que o Divino Espírito Santo concede ao condignamente eleito o poder de celebrar os Santos Sacramentos e instruir espiritualmente os fiéis da Santa Igreja. A Consagração do diácono e do sacerdote é efetuada por um bispo pela imposição das mãos e pronunciamento de fórmulas sagradas com invocação do Divino Espírito Santo. O bispo é consagrado por outros três bispos, entre os quais um deve ser obrigatoriamente um arcebispo.

"Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e dispenseiros dos mistérios de Deus" (1.1P Epístola de São Paulo apóstolo aos Coríntios 4:1).

"Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a Igreja de Deus, que Ele resgatou com Seu próprio sangue" (Atos Apostólicos 20:28).

"Por cujo motivo te lembro que despertes o dom de Deus que existe em ti pela imposição das minhas mãos" (2 Epístola de São Paulo Apóstolo a Timóteo 1:6).

541. Quais são as conseqüências decorrentes do Santo Sacramento da Ordem?

São as seguintes:

    1. Este Santo Sacramento concede uma graça superior apostólica;
    2. Multiplica sobremaneira a Graça Santificadora;
    3. Imprime na alma uma indelével marca do sacerdote de Cristo.

542. Que quer dizer pastorear a Santa Igreja?

Pastorear a Santa Igreja significa instruir os homens em fé, beatitude e bondade, induzindo-os a boas ações, bons sentimentos e bons pensamentos.

543. Quais são os graus das Consagrações Sacerdotais?

São estes:

    1. O Diácono: o grau inferior de Consagração;
    2. O Sacerdote: o grau superior de Consagração;
    3. O Bispo: o grau supremo de Consagração.

544. Em que diferem entre si estes três graus de Consagração?

    1. O diácono auxilia nos ofícios religiosos e na celebração dos Santos Sacramentos, sem, todavia ter o direito de celebrá-los individualmente. É, portanto, um auxiliar do sacerdote ou do bispo.
    2. O sacerdote (ou padre), celebra todos os Santos Sacramentos, com exceção do Santo Sacramento da Ordem. Ao mesmo tempo, cuida o sacerdote de todos os serviços religiosos. Todavia, para isto é sempre necessária à aprovação do bispo. Isto demonstra perfeitamente, que o sacerdote e o diácono não são elementos independentes da hierarquia Ortodoxa, mas sim estritamente ligados ao bispo ou arcebispo da Diocese (Diocese Província eclesiástica subordinada a um bispo ou arcebispo), e em Completa dependência dos mesmos em assuntos espirituais e administrativos.
    3. O bispo celebra todos os Santos Sacramentos sem exceção, possuindo, também, o poder de consagrar novos clérigos da Santa Igreja; transmitindo, desta forma, o poder do Divino Espírito Santo, herdado dos Santos Apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo.O bispo possui, pois, a plenitude das consagrações sacerdotais. Do poder bispal, diz o Apóstolo das Nações: "Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cidade estabelecesses presbíteros (sacerdotes), como já te mandei" (Epístola de São Paulo apóstolo a Tito 1:5). "A ninguém imponhas precipitadamente as mãos" (1 Epístola de São Paulo apóstolo a Timotéo 5:22).

545. Que sentimentos devemos nutrir a respeito do poder e da dignidade sacerdotais?

Devemos nutrir os sentimentos de veneração, de respeito, de obediência e de amor. Diz São João Crisóstomo, arcebispo de Constantinopla: "Quem venera o sacerdote, venera o Senhor Jesus Cristo; e quem insulta o sacerdote, insulta o Senhor Jesus Cristo, cujo representante é justamente o sacerdote."

546. Quais são os graus da dignidade que distinguem os Diáconos?

São os seguintes:

    1. Diácono;
    2. Protodiácono titulo honorífico concedido ao diácono benemérito que pertence ao agrupamento do clero que contrai o Santo Sacramento do matrimônio (A Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa admite o casamento dos clérigos (além do bispo). Clero casado denomina-se "Clero branco." Clero não casado (isto é, os monges e as monjas) denomina-se "Clero Prêto").
    3. Arquidiácono título honorífico concedido ao diácono benemérito que pertence ao agrupamento do clero que não contrai o Santo Sacramento do matrimônio, isto é, a Classe Monástica.

547. Quais são os graus da dignidade, que distinguem os sacerdotes?

São os seguintes os graus da dignidade que distinguem os sacerdotes que pertencem ao agrupamento do clero, que Contrai o matrimônio ("Clero Branco"):

    1. Sacerdote, ou padre, ou presbítero (São três sinônimos de sentido idêntico).
    2. Protopresbítero ou Cura.

Independente disto, a Santa Igreja agracia os sacerdotes com as seguintes distinções:

    1. O direito de usar durante os ofícios religiosos do
    2. Lado esquerdo do corpo, uma espécie de pequeno avental em forma retangular, denominado "Hypogonation," que rememora o destino do sacerdote de trabalhar arduamente na ceifa de Jesus Cristo.

    3. O direito de usar na cabeça um pequeno chapéu bicudo, denominado "Scufia";
    4. O direito de usar na cabeça um chapéu redondo, denominado "Camilavca";
    5. O direito de usar a cruz peitoral de ouro;
    6. O título de protopresbítero (ou Cura);
    7. O direito de usar o "Hypogonation" em forma de losango, que é de hábito colocar do lado direito do corpo e simboliza a espada espiritual;
    8. O direito de usar a cruz peitoral com adornos;
    9. O direito de usar na cabeça a "Mitra," que é uma espécie de coroa em forma redonda, adornada com 4 imagens santas (uma de cada lado), pedras preciosas e outros adornos).

Nas Santas Igrejas Ortodoxas do Oriente não é costume conceder tais distinções aos sacerdotes, levando-se em consideração só os primeiros 7 pontos desta relação. A "Mitra" é concedida aos sacerdotes com extraordinários merecimentos só por algumas Santas Igrejas Ortodoxas da Europa e América, que seguem o rito Eslavo. São os seguintes os graus da dignidade que distinguem os sacerdotes que pertencem ao agrupamento do clero, que não contrai o matrimônio ("Clero Prêto"):

    1. O direito de usar o "Hypogonation" (ver acima);
    2. O direito de usar a cruz peitoral de ouro;
    3. O título de "lhuraeno" ou prior (destinado especialmente aos chefes de Mosteiros);
    4. O direito de usar o "Hypogonation" em forma de losango (ver acima).
    5. O direito de usar a cruz peitoral com adornos.
    6. O título de Arquimandrita.

548. Quais são os graus da dignidade que distinguem os bispos?

São os seguintes:

    1. O Bispo;
    2. O Arcebispo;
    3. O Metropolita;
    4. O Patriarca ou Papa (o termo "Papa" é um sinônimo de "Patriarca" usado também por alguns dos Patriarcas orientais).

Deve-se notar, que em algumas Santas Igrejas Ortodoxas do Oriente o título de Metropolita é inferior ao titulo de Arcebispo. Nas Santas Igrejas Ortodoxas de rito eslavo, existe o costume de conceder ao Arcebispo o direito de usar uma cruz de diamantes na parte da frente do "Camilavca" (vide acima), que se denomina "Clobuc," quando usado com o véu.

549. Quais são atualmente os Patriarcas da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa?

São os seguintes:

    1. O Patriarca de Constantinopla que se intitula: "Arcebispo de Constantinopla Nova Roma e Patriarca Ecumênico (Ecumênico quer dizer" Universal ")";
    2. O Patriarca de Antioquia, que se intitula: "Patriarca de Antioquia, Cidade de Deus, Silicia, Ibéria, Síria, Arábia e de todo o Oriente, Pai dos Pais, Pastor dos Pastores, Décimo Terceiro Apóstolo";
    3. O Patriarca de Alexandria, que tem o titulo: "Pai e Pastor, Papa e Patriarca da Grande Cidade de Alexandria, Lábia, Pentápolis, Etiópia e de todas as terras do Egito";
    4. O Patriarca de Jerusalém, que se intitula: "Patriarca da Cidade Santa de Jerusalém e de toda a Palestina, Síria, Arábia, Transjordânia, Cana de Galiléia e do Santo Sião";
    5. O Patriarca de Moscou que tem o título: "Arcebispo da Grande Cidade de Moscou e Patriarca de todas as Rússias";
    6. O Patriarca Rumeno que se intitula: "Arcebispo e Metropolita da Hungria e Valâquia, Patriarca Rumeno";
    7. O Patriarca da Sérvia (Iugoslávia), que tem o título: "Sua Santidade o Arcebispo de Pecht, Metropolita de Belgrado, Patriarca Servo."

Até meados do século XI, a relação dos Patriarcas da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa incluía também o Patriarca de Roma (Papa Romano), que naquela época se havia desligado da união com a Santa Igreja (Ver a minha "História da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa").

 

Sobre o santo Sacramento do Matrimônio.

550. Que é o Santo Sacramento do Matrimônio?

É um Santo Sacramento no qual, após ser apresentada pelos nubentes uma promessa solene de fidelidade conjugal, a Santa Igreja concede a sua bênção para que os mesmos se unam em matrimônio, invocando a Divina Graça, destinada a fazer com que a vida terrena do marido e da mulher permaneça pura e santificada, a fim de que possam ter a prole abençoada por Deus, e educar os filhos em espírito da sagrada fé cristã Ortodoxa.

551. Como sabemos, que o matrimônio deve ser considerado um Santo Sacramento?

Pelas palavras de São Paulo apóstolo:

"Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Grande é este mistério: digo-o, porém, a respeito de Cristo e da Igreja" (Epístola de São Paulo apóstolo aos Efésios 31-32).

552. Quais são os deveres dos cônjuges?

Os deveres dos cônjuges são os seguintes:

    1. Viver em concórdia, amor, respeito mútuo e fidelidade conjugal;
    2. Compartilhar e amparar-se mutuamente nas práticas da vida cristã;
    3. Educar os filhos nos sagrados preceitos da Santa Fé Cristã Ortodoxa e em temor de Deus.

553. Do que devem lembrar-se aqueles que desejam contrair o Santo Sacramento do Matrimônio?

Devem lembrar-se:

    1. Que não é recomendável contrair noivado precipitadamente e sem profunda reflexão;
    2. Que devem ser livres de qualquer impedimento;
    3. Que devem possuir conhecimentos suficientes da Sagrada Fé Ortodoxa;
    4. Que devem receber os Santos Sacramentos da Confissão e da Eucaristia.

554. Quais são os impedimentos para contrair o Santo Sacramento do Matrimônio?

São os seguintes:

    1. Laços de parentesco discriminados pelas leis da Santa Igreja, como sendo aqueles que proíbem o matrimônio.
    2. Laços de parentesco espiritual (Ver o parágrafo 422).

555. Todos devem contrair o Santo Sacramento do Matrimônio?

Não. Nem todos devem contrair o Santo Sacramento do Matrimônio. A permanência em estado de virgindade é considerada muito superior ao estado de casado, no caso em que a pessoa possa permanecer neste estado de abnegação corpórea.

"Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. Quem pode receber isto receba-o" (Evangelho de São Mateus 19:11-12).

"Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu. Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar-se do que abrazar-se.

E bem que quisera eu que estivésseis sem cuidado. O solteiro cuida nas coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor: Mas quem é casado cuida nas coisas do mundo, em como há de agradar à mulher. Todavia, o que está firme em seu coração, não tendo necessidade, mas com poder sobre, a sua própria vontade, se resolveu no seu coração guardar a sua virgindade, faz bem. De sorte que, o que a dá em casamento, faz bem; mas o que a não dá em casamento faz melhor (1 Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios 78-9, 32-38).

Sobre o santo Sacramento

da Extrema Unção (ou Santos Óleos).

556. Que é o Santo Sacramento da Extrema Unção (ou Santos óleos?).

É um Santo Sacramento, no qual, por meio de unção com os Santos óleos, invoca-se sobre um enfermo a Graça de Deus, poderosa em conceder saúde e força ao corpo e à alma.

557. Quais são as origens deste Santo Sacramento?

Os Santos Apóstolos deram origem a este Santo Sacramento:

"E expulsavam muitos demônios, e ungiam muitos enfermos com óleo e os curavam" (Evangelho de São Marcos 6:13).

"Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com azeite em Nome do Senhor; E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará, e se houver cometido pecados, ser lhe-ão perdoados" (Epístola Universal do Santo apóstolo Tiago 5:14-15).

558. Qual é o valor do Santo Sacramento da Extrema Unção?

O Santo Sacramento da Extrema Unção:

    1. Anula os pecados, mesmo aqueles que não foram perdoados na última confissão, com a condição que o enfermo demonstre um sincero pesar de os haver cometido;
    2. Aumenta sobremaneira a Graça Santificadora;
    3. Concede forças especiais, que auxiliam a suportar os sofrimentos e vencer as tentações. Este Santo Sacramento causa freqüentemente um brusco restabelecimento, mesmo das pessoas moribundas e desenganadas por médicos.

559. Quem pode ministrar o Santo Sacramento da Extrema Unção?

O Santo Sacramento da Extrema Unção deve ser ministrado por sete sacerdotes. Todavia, em casos de emergência, é admissível que este Santo Sacramento seja ministrado por um só sacerdote, que procede pessoalmente na bênção dos óleos destinados a este mistério.

560. Quantas vezes se pode receber o Santo Sacramento da Extrema Unção?

Pode-se receber tantas vezes, quantas estivermos seriamente enfermos, porém só uma vez no decorrer de cada enfermidade.

561.O Santo Sacramento da Extrema Unção é absolutamente necessário para que se consiga a salvação eterna?

Não. Não é absolutamente necessário receber o Santo Sacramento da Extrema Unção para ser salvo. O enfermo, entretanto, nunca deve deixar de solicitá-lo, se não deseja expor-se à perda de imensas Graças Divinas.

562. Em que estado deve um enfermo receber o Santo Sacramento da Extrema Unção?

Deve receber o Santo Sacramento da Extrema Unção, quando apresenta lucidez completa dos sentidos, isto é, quando está perfeitamente ciente do que ocorre com ele.

563. Como deve o enfermo preparar-se para o recebimento do Santo Sacramento da Extrema Unção?

O enfermo deve:

    1. Possuir a viva fé e a profunda confiança em Deus;
    2. O enfermo deve entregar-se inteiramente à vontade de Deus;
    3. Se houver possibilidade, deve o enfermo confessar-se.

 

A esperança da

Ressurreição futura dos mortos.

Espero a ressurreição dos mortos.

564. Que é a ressurreição dos mortos, que devemos esperar, conforme nos indica a "Profissão de Fé Ortodoxa?"

A ressurreição dos mortos é a ação do supremo poder de Deus, mediante o qual, no dia temível do Juízo Final todos os corpos dos homens falecidos, unindo-se com as almas, reviverão novamente, tornando-se espirituais e imortais.

"Porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a Sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a ressurreição da condenação" (Evangelho de São João 5:28-29).

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo animal, há também corpo espiritual" (l Epístola de São Paulo apóstolo aos Coríntios 15:44).

"Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista de imortalidade" (1 Epístola de São Paulo, apóstolo, aos Coríntios 15:53).

565. Por que Deus, Nosso Senhor, fará ressuscitar os nossos corpos?

Para que também os nossos corpos possam participar do prêmio ou do castigo, da mesma forma como no decorrer da vida terrena eles haviam participado das boas ou das más ações.

566. Como pode ressuscitar um corpo, que perdeu a sua forma natural, ou até tornou-se pó, devido à permanência no sepulcro?

O primeiro homem foi feito do pó da terra. Assim sendo é natural que ele torne a ser pó. Deus, entretanto, que fez desta maneira o primeiro homem, poderá indubitavelmente proceder de modo semelhante erguendo os mortos dos seus túmulos. O Santo Apóstolo das Nações assemelha este mistério ao grão semeado, que caindo na terra, deve passar pelo processo de apodrecimento a fim de que possa surgir a planta viva e vigorosa:

"Mas alguém dirá: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão? Insensato! O que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer. E quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas o simples grão, como de trigo, ou de outra qualquer semente" (1 Epístola de São Paulo aos Coríntios 15:35-37).

567. Todos ressuscitarão?

Sim. Todos ressuscitarão, tanto os bons, quanto os maus. Aqueles, porém, que no momento da chegada do temível juízo do Senhor estejam com vida, sofrerão uma transformação imediata de corpo, do material em espiritual e imortal:

"Eis que vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos, seremos transformados.

Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados "(l Epístola de São Paulo aos Coríntios: 15:51-52)."

568. Quando terá lugar a ressurreição dos mortos?

Terá lugar ao fim do mundo visível e material.

569. Qual será a transformação sofrida pelo mundo atual como o conhecemos?

O mundo atual, como o conhecemos, transformar-se-á em um mundo espiritual e imaculado. "A mesma criatura será libertada da servidão dai corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus" (Epístola de São Paulo aos Romanos 8:21).

"Mas nós, segundo a Sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça," (2 Epístola universal do santo apóstolo Pedro 3:13).

570. Como transcorrerá a transformação do mundo?

A transformação do mundo decorrerá por meio de fogo:

"Mas os céus e a terra que agora existem pelo mês-, ma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o Dia do Juízo, e da perdição dos homens ímpios" (VI Epístola universal do santo apóstolo Pedro 3:7).

571. Em que estado se encontram as almas dos já falecidos, antes que venha o temível Juízo do Senhor?

As almas dos justos encontram-se inundadas de luz celestial, e de paz divina, permanecendo em estado de felicidade, que antecede a felicidade eterna.

As almas dos pecadores encontram-se num estado diametralmente oposto ao daquele que está reservado aos justos, isto é, permanecem nas trevas terríficas e na angústia mortal, aguardando a condenação definitiva.

572. Por que razão as almas dos justos não recebem a compensação da eterna felicidade, logo após a morte?

Porque a recompensa final deve atingir não somente a alma, mas também o corpo ressuscitado, isto é, o "homem completo."

Por esta razão, esta suprema questão só pode encontrar a solução final no último Juízo do Senhor.

Diz São Paulo apóstolo:

"Desde agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amaram a Sua vinda" (2 Epístola a Timóteo 4:8).

"Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal" (2 Epístola de São Paulo, apóstolo, aos Corintios 5:10).

573. Como podemos saber que as almas dos justos permanecem no estado de felicidade, mesmo antes do seu julgamento definitivo no temível Juízo do Senhor?

Sabemos disto do seguinte trecho das Escrituras Sagradas:

"E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão" (Evangelho de São Lucas 16:22).

574. Esta felicidade, que desfrutam os justos, logo após a morte, está coligada com a contemplação de Nosso Senhor Jesus Cristo?

Sim. Principalmente os santos, recebem esta graça pelos seus incalculáveis merecimentos:

"Tenho desejo de partir e estar com Cristo" (Epístola de São Paulo aos Filipenses 1:23).

575. Qual é o auxílio que devemos proporcionar às almas daqueles que morreram com fé, porém não tiveram ocasião de produzir os frutos da fé?

Estas almas devem ser constantemente auxiliadas por nós, por meio de fervorosas preces e, principalmente pelo oferecimento do sagrado sacrifício da Eucaristia, em sua intenção, como também devem receber o alivio por meio de boas ações, praticadas em sua memória.

576. Em que apoiamos esta conclusão?

Na Sagrada Tradição da Santa Igreja Universal Apostólica Ortodoxa, que data ainda dos tempos da Lei Antiga.

Assim sabemos que Judas Macabeu fez sacrifícios pelos guerreiros mortos em batalha (2 Livro dos Macabeus 12:43).

No mesmo Livro lemos:

"É um pensamento santo e salvador, rogar pelos mortos, para que sejam livrados dos pecados deles" (2 Livro dos Macabeus 12:46).

A oração pelos mortos é obrigatória no decorrer da Divina Liturgia (Santa Missa), como foi escrita pelo Santo Apóstolo Tiago.

"Indizível é o benefício, que recebem aquelas almas, pelas quais se elevam as orações, quando se encontra perante os nossos olhos o sacrossanto e temível sacrifício" ("Meditações" São Cirilo de Jerusalém Ensinamentos 5, cap. 9).

Nas orações da festa de Pentecostes, São Basílio Magno suplica a Deus, para que aceite as nossas preces e sacrifícios, por intenção daqueles que são "segurados nas trevas," para que lhes sejam concedidos o alívio, a paz e a libertação."."

 

 

A esperança

da vida eterna.

E a vida do século futuro. Amém

577. Que quer dizer: "A Vida do Século Futuro"?

É a vida eterna que surgirá após a ressurreição dos mortos no último temível juízo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

578. Como será esta vida?

Para os fiéis que praticam boas ações, esta vida eterna será cheia de indizível felicidade, que não encontra descrição adequada na língua humana, por superar em tudo a nossa imaginação.

"Ainda não é manifestado o que havemos de ser"

"Conheço um homem em Cristo que há quatorze anos. Foi arrebatado até o terceiro céu. Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, de que ao homem não é lícito falar" (1 Epístola Universal de São João apóstolo 3:2).

579. Em que consiste a Eterna e Completa Felicidade?

Consiste em contemplar a face do próprio Deus em toda Sua luminosidade e glória, como também em se unir a Ele em infinito amor.

Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face: agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido" (l Epístola de São Paulo aos Coríntios 13:12). "Então os justos resplandecerão como o sol, no Reino de seu Pai" (Evangelho de São Mateus 13:43).

"Para que Deus seja tudo em todos" (1 Epístola de São Paulo aos Coríntios 15:28).

580. O corpo tomará parte na felicidade da alma?

O corpo também participará da felicidade eterna, da mesma forma como o corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo participou da luminosidade divina, durante a Transfiguração no Monte Tabor. "Semeia-se em ignomínia, ressuscitará em glória" (1 Epístola de São Paulo aos Coríntios 15:43).

"E assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial" (1 Epístola de São Paulo aos Corintios 15:49).

581. Todos os justos receberão a Eterna Felicidade em grau igual?

Não. Haverá diversos graus da felicidade eterna, de acordo com o valor dos merecimentos de cada um.

"Uma é a glória do sol, e outra a glória da lua, e outra a glória das estrelas, porque uma estrela difere em glória da outra estrela. Assim também a ressurreição dos mortos" (1 Epístola de São Paulo aos Coríntios 15:41-42).

582. O que acontecerá aos descrentes e infiéis?

Terão a condenação à morte eterna, isto é, ao fogo eterno, e eternos sofrimentos. Esta mesma sorte aguarda Satanás e os seus anjos.

"E aquele que não foi achado escrito no Livro da Vida foi lançado no lago de fogo" (Apocalipse de São João 20:15).

"Esta é a segunda morte" (Apocalipse de São João 20:14).

"Apartai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos" (Evangelho de São Mateus 25:41).

"E irão estes para o tormento eterno" (Evangelho de São Mateus 25:46).

"Melhor é para ti entrares no Reino de Deus com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno" (Evangelho de São Marcos 9:47).

583. Por que o castigo imposto aos pecadores é tão severo?

O castigo imposto aos pecadores é severo, não porque Deus deseje a condenação deles, mas sim, porque eles mesmos o quiseram:

"E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem" (VI Epístola de São Paulo aos Tessalonicenses 2:10).

584. Qual é a vantagem que obtemos da meditação sobre a morte, a ressurreição, o temível Juízo Final, a eterna felicidade e a eterna morte e condenação?

Estas meditações são altamente benéficas para as nossas almas imortais, pois nos auxiliam a evitar os pecados, Permitem afastar-nos das atrações fúteis da vida terrena, ajudam-nos a levar uma vida pura e santificada, tendo o pensamento sempre dirigido para o nosso eterno destino.

"Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura" (Epístola de São Paulo aos Hebreus 13:14).

585. Que significa a palavra "Amém-, e por que a" Profissão de Fé Ortodoxa "termina com ela?."

Esta palavra é grega e significa: "Assim seja" ou "Assim é."Finalizamos a "Profissão de Fé Ortodoxa" com esta palavra para demonstrar que possuímos a fé firme e inabalável em tudo que forma o seu conteúdo.

Go to the top

 

Editado por determinação do

Reverendíssimo Pe. Arquimandrita

ISSAIA ABBUD

Excelentíssimo Legado Patriarcal no Brasil

Por

JERZY BERKMAN KARENIN

Professor do "Colégio Vítor Viana,"

Ex-secretário particular

Do Arcebispo de Varsóvia e Protodiácono.

Publicação da Santa Igreja Grego-Ortodoxa do Brasil 1957

 

Reprinted by

Folheto Missionário número P

466 Foothill Blvd, Box 397, La Canada, Ca 91011

Redator: Bispo Alexandre Mileant

 

(doutrina_cristã_ortodoxa_2. doc, o5-21-03)

edited by Paulo Augusto Iakimoff